Pedreiro assassinado com facadas no peito em Parauapebas

Nos últimos momentos de vida, o rapaz ainda conseguiu dizer que sua morte foi causada por rixa. Há um mês ele havia se envolvido em uma briga no Bairro Vila Nova
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Foi sepultado nesta sexta-feira, 21, o corpo do pedreiro Adenilson da Silva Lima, 22 anos, natural de Santa Luzia (MA), solteiro. Ele foi assassinado na tarde ontem, quinta-feira (20), por um homem identificado apena como Lucas, que lhe aplicou três facadas no peito e fugiu. O crime aconteceu na Rua V-8, no Bairro Cidade Jardim, próximo de um açougue. Já nos estertores da morte, Adenilson ainda conseguiu pronunciar a palavra “rixa”, como a explicar o motivo do crime.

O pedreiro ainda chegou a correr e, em desespero, invadiu o apartamento de Maria Helena Silva Lima, onde jogou-se sobre um colchão clamando por socorro e pedindo que orassem por ele. Fato testemunhado pela dona do conjunto de quitinetes, Doraildes Ribeiro dos Santos.

O rapaz ainda chegou a ser atendido por uma ambulância do Samu e removido à UPA do Cidade Jardim, mas não resistiu ao sofrimento e morreu logo após dar entrada na unidade de saúde.

O também pedreiro Renato Silva Lima, 26 anos, irmão de Adenilson, disse em Termo de Declaração na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, que o rapaz vinha sendo ameaçado de morte fazia um mês, após se envolver em uma briga no Bairro Vila Nova.

Contou ainda que o irmão ganhava a vida fazendo biscates, mas “mexia com coisas erradas” e usava entorpecentes, lembrando que, quando adolescente, Adenilson Lima, chegou a ser apreendido pela polícia acusado de tráfico de drogas.

Por Eleuterio Gomes – de Marabá

Publicidade