Municípios já podem aderir ao Programa de Transporte Escolar do Pará

Decreto foi publicado no DOE, o que garante repasse de recursos suplementares às prefeituras. Mas para isso é preciso assinar termo de adesão ao Pete.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Os municípios paraenses já podem solicitar suplementação financeira ao Estado para o serviço de transporte escolar dos alunos dos ensinos fundamental e médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA) da rede pública estadual. Para obter os recursos, basta a prefeitura aderir ao Programa Estadual de Transporte Escolar (Pete/PA), regulamentado por decreto do governador Helder Barbalho, publicado no último Diário Oficial do Estado (DOE), dia 19 deste mês, dando início à vigência do programa.

 O Pete foi instituído este ano pela Lei nº 8.846/19, sancionada em 9 de maio após aprovação pela Assembleia Legislativa. No decreto, com 25 artigos, é apresentado aos municípios o termo de adesão, que terá vigência de um ano, com prorrogação automática caso a prefeitura não desista do programa com antecedência de 60 dias.

O cálculo da transferência dos recursos, constante em lei, considera o “Fator FNDE”, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, para tirar a média dos repasses para o custeamento do transporte escolar. Considera também o tamanho da área territorial de cada um dos municípios. Quanto maior, mais recursos.

O valor per capita por aluno, da zona rural, foi calculado em R$ 525,27; e do aluno da zona rural varia de R$ 700,36, para municípios com área menor que 5 mil Km², a R$ 1.400,72, para municípios com área acima de 50 mil Km². O menor município do Pará é Marituba, com 103,34 Km². Conta com 268 alunos em escolas estaduais na zona urbana e mais 70, na zona rural. Pelos cálculos do governo, Marituba tem direito a receber uma suplementação de R$ 189,7 mil, para o transporte escolar.

 O objetivo do Pete, justifica o Estado, é garantir que todos tenham acesso à escola e permaneçam nos estudos até sua conclusão. Compete à Secretaria de Estado de Educação (Seduc) a normatização do programa, assistência financeira e transferência dos recursos bem como o acompanhamento, fiscalização e análise na prestação de contas das verbas repassadas pelo Pete.

Pelo decreto, a transferência dos recursos financeiros será feita de forma descentralizada e automática para os municípios integrantes do programa, “sem necessidade de convênio, ajuste, acordo, contrato ou instrumento congênere”. O cálculo do montante de recursos a serem transferidos será publicado até 31 de janeiro de cada exercício financeiro, por meio de portaria da Seduc.

Conforme o artigo 7º do decreto, os valores apurados serão transferidos, diretamente aos municípios, em dez parcelas mensais no curso do ano letivo vigente. E serão creditados, mantidos e geridos em contas correntes específicas abertas pelo município junto ao Banco do Estado do Pará (Banpará). Sem comprovação da abertura da conta, não haverá repasse.

Aplicação dos recursos

O decreto municipal deixa claro, no Capítulo VI, de que forma os recursos do Pete devem ser aplicados, com o prefeito sendo obrigado a prestar contas anualmente até o dia 28 de fevereiro. “Os recursos repassados à conta do Programa Estadual de Transporte Escolar serão utilizados exclusivamente no pagamento de transporte escolar, que pode ser executado de forma direta ou terceirizada”, reforça o decreto.

Os recursos não podem ser utilizados, por exemplo, para pagamento de pessoal, multas e tributos (federais, estaduais, distritais ou municipais) “quando não incidentes sobre materiais adquiridos e serviços contratados para consecução dos objetivos do programa”.

Pelo decreto, caso o município não preste contas dos recursos recebidos ou a prestação de contas não seja aprovada a Seduc irá instaurar Tomada de Contas Especial. Se detectados documentos ou declaração falsa da que deveria ser inscrita na prestação de contas, o ordenador de despesas será responsabilizado civil, penal e administrativamente.

Caberá à Seduc proceder as fiscalizações sobre a correta aplicação das verbas do Pete, mas pelo artigo 22 do decreto qualquer pessoa, física ou jurídica, poderá apresentar denúncia de irregularidades identificadas na aplicação dos recursos.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Publicidade