Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Capa

Parauapebas inicia Semana de Trânsito com blitz educativa

A Prefeitura de Parauapebas, por meio do DMTT (Departamento Municipal de Trânsito e Transporte), deu nesta quarta-feira (19), o pontapé inicial da Semana Nacional de Trânsito. E as ações começaram com uma Blitz Educativa em frente ao Quartel do 4º Batalhão de Polícia Militar, onde o agente Milton Lima, coordenador do Núcleo de Educação para o Trânsito comandava panfletagem e contato com os condutores que passavam pelo local.

Ouvido pelo Blog, ele disse que a missão maior do DMTT é conscientizar e educar os condutores, sejam pilotos de moto ou motoristas e o próprio pedestre, para que respeitem as leis de trânsito e também passem essas informações para a família e para os amigos, “para que não aumentem as estatísticas de acidentes e vidas sejam preservadas”.

Milton conta que, em levantamento de janeiro a de agosto deste ano, comparado com o mesmo período de2017, ficou constatado que houve uma diminuição de quase 23% no número de acidentes de trânsito nas vias de Parauapebas.

“Precisamos diminuir mais ainda, nossa vontade é de que não haja acidentes. O nosso trabalho está tendo resultados, não só o trabalho da Educação para o Trânsito, mas também o da própria fiscalização, das blitze punitivas, dos radares e da Engenharia de Tráfego, que agora está revitalizando a sinalização horizontal, pintando as faixas que já estavam meio apagadas, para que tudo fique visível e com o objetivo de diminuir o número de acidentes”, afirmou ele, lembrando que os três pilares – fiscalização, engenharia e educação – estão sempre trabalhando em conjunto.

Acerca da instalação de radares de trânsito nas vias de Parauapebas e agora também naquelas que levam à Zona Rural, Milton Lima explica quem, por meio da Engenharia, frequentemente são realizados estudos que detectam em que trechos há mais probabilidade de acidentes motivados pelo excesso de velocidade.

“Às vezes, as pessoas só aprendem com a punição. Vendo o radar elas são obrigadas a diminuir a velocidade para não serem multadas e, agindo dessa forma, estão também evitando um acidente e essa é a nossa meta. Nosso objetivo nunca foi instalar radar ou fazer qualquer outro tipo de fiscalização para arrecadar com multas. A nossa missão é mesmo diminuir o número de acidentes”, explica Lima.

Sobre o número de infrações de trânsito registradas pelo DMTT, ele diz que essas infrações são constantes, principalmente as detectadas pelos radares. “Os condutores sempre argumentam que não o radar não está funcionando corretamente, que estavam dirigindo certo. Mas, as pessoas precisam se conscientizar cada vez mais”, argumenta Milton Lima.

Segundo ele, o DMTT também faz um trabalho educativo com crianças e adolescentes, em escolas e igrejas, entre outros locais onde esse público esteja presente. “São eles que, mais na frente, vão dirigir, pilotar. Então, essa consciência tem de começar desde pequeno e tentar mudar esse pensamento dos adultos, principalmente dos infratores”, comenta Milton.

A motorista Maria de Fátima Fonseca Ferreira diz que esse trabalho de conscientização é ótimo porque reforça a informação sobre tudo aquilo que o condutor deve fazer. “O motorista bem informado não dá trabalho para o DMTT, não dá trabalho na cidade, não causa problemas. Já dirijo há 25 anos e, graças a Deus, nunca tive um acidente porque eu sou cuidadosa”, afirma ela.

Capa

Mulher que morreu em 2017 assina documento em 2018 em Jacundá

O Departamento Municipal de Trânsito de Jacundá (DMTU) vive a maior crise desde sua implantação, há mais de 10 anos. Dois procedimentos estão em andamento no Ministério Público Estadual, uma sindicância foi aberta pela gestão do órgão e uma investigação paralela conduzida pelo vereador Daniel Siqueira Neves já revelou um antro de corrupção dentro do DMTU.

No início de agosto deste ano, o Ministério Público de Jacundá instaurou uma investigação para apurar atos de improbidade administrativa no órgão baseado em denúncias relativa à liberação de veículos irregulares. E, nesta semana, foi instaurado procedimento para investigar a falta de estrutura, tais como a falta de combustível para os veículos, dentre outras irregularidades. Esse procedimento teve como base denúncias de sete agentes contra Haussen Nascimento, diretor do DMTU, prefeito Ismael Barbosa e o vereador Daniel dos Estudantes.

Paralelamente, as denúncias sobre a operacionalidade do departamento de trânsito são investigadas desde o ano passado pelo vereador Daniel dos Estudantes. Segundo ele, diversos ofícios foram encaminhados à gestão do DMTU solicitando esclarecimentos sobre supostas irregularidades cometidos por agentes de trânsito. “Temos recebidos diversos relatos de moradores questionando a prática abusiva por parte dos agentes. E o que sempre pedimos na Tribuna da Câmara Municipal foi mais transparência nas fiscalizações”.

O parlamentar deduz que sua insistência em moralizar o DMTU pode ter levado os agentes a denunciarem sua atuação ao Ministério Público. “Não tem outra explicação”. Após a instauração do MP, Daniel revelou um rosário de irregulares cometido nas instâncias do órgão municipal. Falsificação e adulteração de documentos e uso de carimbos oficiais. “Tudo isso para fabricar documentos falsos e liberar motos irregulares em troca de favorecimento, inclusive, encontramos documentos assinados posteriormente a morte de um cidadão”.

O dossiê montado por Daniel dos Estudantes já conta com mais de 500 páginas, que incluem documentos com assinaturas falsificadas, adulteração de selo do cartório de Jacundá e outras irregularidades. O envolvimento de agentes, despachante e outras pessoas estão sendo investigados em um inquérito na Delegacia de Jacundá. O parlamentar não descartou pedir a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o caso. O delegado responsável pela investigação não quis comentar sobre o andamento da investigação.

Baseado nas informações fornecidas pelo vereador jacundaense, o prefeito Ismael Barbosa determinou ao diretor do DMTU, Haussen Alves Nascimento, a instauração de uma sindicância “para apurar todas possíveis ilegalidades e irregularidades praticadas no Departamento Municipal de Trânsito Urbano de Jacundá”.

Haussen publicou a portaria na quinta-feira. E nela, são alegadas a “suposta existência de diversas denúncias de ilegalidades e irregularidades no DMTU”. Uma comissão formada por três servidores do quadro da Prefeitura de Jacundá são indicados para apurar as denúncias. “Para bem cumprir as atribuições, a Comissão terá acesso a toda documentação necessária à elucidação dos fatos, bem como deverá colher quaisquer declarações, depoimentos e demais provas que entender pertinentes”.

Ainda de acordo com a portaria, a Comissão tem o prazo de 60 dias para apurar os fatos e elaborar um relatório final.

Procurações

Creuzeni Maria Felizarda Fontes, falecida no dia 23 de março de 2017, “assinou” uma procuração no dia 8 de janeiro de 2018. O documento foi usado para liberar uma moto apreendida pelo DMTU. O veículo de propriedade da falecida foi apreendido no dia 4 de outubro de 2017, quase 7 meses a morte da mulher. Na procuração “ela” outorga a Roberto do Nascimento Araújo amplos poderes para retirar o veículo, uma moto Biz.

O veículo foi entregue a Roberto no dia 10 de janeiro deste ano, conforme o termo de entrega de entrega de veículo.

“Será necessária uma ampla investigação, pois temos diversos casos de irregularidades praticadas por agentes de trânsito, que somente uma CPI ou uma investigação do delegado para identificar a punir os culpados”, finaliza o parlamentar.

Por Antonio Barroso – de Jacundá
Capa

Sindicância vai apurar irregularidades no Departamento de Trânsito de Jacundá

Uma portaria publicada na tarde de ontem, quinta-feira, 13, pelo diretor do Departamento Municipal de Trânsito Urbano de Jacundá (DMTU) pretende apurar possíveis irregularidades e ilegalidades nas instâncias do órgão fiscalizador do trânsito da cidade. Dois procedimentos já foram instaurados pelo Ministério Público do Pará, que envolve o órgão e sua gestão.

Haussen Alves do Nascimento, diretor do DMTU, publicou a portaria na quinta-feira. E, nela, são alegadas a “suposta existência de diversas denúncias de ilegalidades e irregularidades no DMTU”.

Uma comissão formada por três servidores do quadro da Prefeitura de Jacundá foram indicados para apurar as denúncias. “Para bem cumprir as atribuições, a Comissão terá acesso a toda documentação necessária à elucidação dos fatos, bem como deverá colher quaisquer declarações, depoimentos e demais provas que entender pertinentes”, diz o documento.

Ainda de acordo com a portaria, a Comissão tem o prazo de sessenta dias para apurar os fatos e elaborar um relatório final.

Haussen, o prefeito Ismael Barbosa e o vereador Daniel Siqueira Neves são alvos de um procedimento com o intuito de averiguar supostos atos de improbidade administrativa. Segundo o Ministério Público do Pará, por meio de relatos de agentes de trânsito do DMTU, o órgão está sem estrutura de funcionamento, tais como a falta de combustível para os veículos, limitação ao acesso de veículos de fiscalização e embaraços praticados contra os agentes de trânsito.

Os citados negaram qualquer interferência nas instâncias do órgão de trânsito. O caso segue sendo investigado pelo MP.