TRT 8 reduz para apenas R$30 mil indenização à trabalhadora atacada por onça em Carajás

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

“ A justiça de Deus é uma. A justiça do mundo é outra” ( Camilo Castelo Branco)

O Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região julgou hoje (7) pela manhã o recurso impetrado por Topgeo e Mineradora Vale em ação indenizatória movida por Laurilete Canavieira Silva, auxiliar de serviços gerais, vítima atacada por uma onça suçuarana em projeto da mineradora, em Carajás.

Em 10 de setembro passado, o juiz Federal do Trabalho Mauro Roberto Vaz Curvo, da 1ª Vara do Trabalho de Parauapebas, julgou precedentes os pedidos da reclamante e sentenciou Topgeo e Vale S/A a pagarem R$700.000,00 ( setecentos mil reais ) a título de indenização por danos morais e R$300.000,00 ( trezentos mil reais ) por danos estéticos.

Hoje o TRT 8 decidiu que o valor sentenciado pelo magistrado local era improcedente e determinou que os réus paguem a insignificante quantia de R$30.000,00 ( trinta mil reais).  

O Blogger não é médico e tampouco especialista, todavia, acredito que o valor estipulado pelo TRT é insignificante e, se não cobrem sequer os custos de uma cirurgia de reparação dos danos físicos causados pelo ataque, imaginem os danos morais e psicológicos com os quais essa humilde trabalhadora terá que conviver pelo resto da vida. Nossos honrados desembargadores perderam uma grande chance de fazer a justiça, um dia antes da data em que se comemora o Dia da Justiça.

Mas uma vez se vê que o lobby da mineradora Vale continua alto junto ao judiciário brasileiro. Uma pena. Enquanto se noticia as proezas de Joaquim Barbosa no tocante aos mensaleiros do legislativo, seus pares do Pará e Amapá preferem a omissão da justiça!

Publicidade