Tecnologia encurta distância entre médico e paciente em Jacundá

Ao completar um ano de operação, são 12 as especialidades oferecidas pela telemedicina, entre elas, urologia, a mais recente a compor o leque de serviços
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Jidevaldo Moreira dos Santos, conhecido na cidade de Jacundá como Giu Motos, sofreu um grave acidente de trânsito em fevereiro deste ano. Após várias cirurgias, ele conseguiu voltar para casa. Mas precisava de acompanhamento com neurologista e a pandemia do novo coronavírus impôs uma barreira. Ele estava impossibilitado de viajar.

A irmã de Giu Motos, Luciete Moreira dos Santos explica que a preocupação da família era transportá-lo para Belém ou Marabá. “O quadro clínico o coloca no grupo risco ao novo coronavírus. E essa doença era o nosso maior medo”.

Luciete encontrou na telemedicina o atendimento médico necessário para seu irmão. “Não imaginava que Jacundá oferecesse esse tipo de serviço. A partir da primeira consulta notamos ume melhora significa. Hoje meu irmão consegue se levantar da cama, caminhar e sentar. E até consegue manusear o aparelho celular”, comemora.

A enfermeira coordenadora do programa Telemedicina de Jacundá, Patrícia Guzzatti Tomaz Nascimento, explica que 12 especialidades são ofertadas pelo sistema de saúde pública. “Disponibilizamos diversos serviços através do uso da Tecnologia da Informação (TI), integrando a equipe municipal de saúde de Jacundá a especialistas qualificados do Cosemes. Desta forma, contribuímos para o ágil e eficiente serviço prestado aos usuários”.

O sistema dispõe de uma sala estruturada com aparelho de televisão, internet de alta velocidade, maca, computador, scanner para que sejam anexados os exames solicitados e até mesmo laudos facilitando a resolução do caso clínico no momento da consulta com especialista, técnico de informática, médico clínico geral que acompanha as consultas e enfermeira responsável pelo agendamentos e monitoração.

A secretária de Saúde, Lícia Souza é entusiasta do programa. “O Telemedicina ocupou um espaço importante no cuidado da saúde das pessoas jacundaenses, garantindo acesso as especialidades tão difíceis, aproximando pacientes, médicos e profissionais de saúde com o uso de tecnologia”.

O programa teve início em setembro do ano passado com especialistas em neurologista, neuropediatra, dermatologista, endocrinologista, psiquiatra, alergista e cardiologista. Ao completar um ano de operação, são 12 as especialidades oferecidas, entre elas, urologia, a mais recente a compor o leque de serviços.

 “Nesse período realizamos quase mil consultas, o que representa uma economia de aproximadamente 500 mil reais para o sistema de saúde pública”. E, voltando ao paciente Giu Motos, ele ainda não recuperou a voz e toda mobilidade, mas cada dia é um novo recomeço.

(Antonio Barroso)