Operação Book Rosa: Justiça mantém prisão de acusados

Audiência de custódia aconteceu na manhã desta quinta-feira em Parauapebas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Aconteceu na manhã desta quinta-feira (24), no Fórum Juiz Célio Rodrigues Cal, em Parauapebas, as audiências de custódia de empresários Eduardo Liebert (Total Solutions), Mauro de Souza Davi (Marola Show), e do advogado criminalista Antônio Araújo de Oliveira (Toni), acusados de cometerem os crimes de estupro de vulnerável e prostituição de adolescentes. Eles foram presos ontem, no cantar do galo, pela delegada Ana Carolina, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher em Parauapebas.

Durante as audiências de custódia foi verificado pela juíza Flávia Oliveira do Rosário e pelo nobre representante do Ministério Público, Dr. Emerson Oliveira, que as prisões ocorreram dentro da legalidade e sem abuso por parte da autoridade policial. A defesa dos acusados ingressou com pedidos de liberdade, o que na opinião do representante do Ministério Público não deveria acontecer.

O advogado Geovane Gomes representou o acusado Antônio Araújo de Oliveira (Toni). Já Marola e Eduardo Leibert foram representados pelo advogado Abraunienes Faustino de Sousa.

A juíza Flavia do Rosário manteve presos preventivamente os acusados, que aguardarão o desfecho dos processos na Penitenciária local.

A defesa dos acusados promete entrar com pedido de Habeas Corpus para que os acusados respondam em liberdade as acusações.

Segundo a delegada Ana Carolina, as investigações para que outras vítimas dos acusados sejam encontradas continuam.