Novas mortes por covid-19 acendem sinal vermelho em Jacundá

Vigilância em Saúde queixa-se do abandono das medidas preventivas por parte da população e da resistência à vacina pelos grupos prioritários
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

“Tem sido um trabalho árduo convencer a população sobre a importância de manter as medidas preventivas”. Essa afirmação veio após o fechamento do balanço epidemiológico do mês de fevereiro, referente aos casos do novo coronavírus no município de Jacundá, que teve um aumento de 10% em 28 dias.

Em um mês o número de novos casos registrados pela Secretaria de Saúde saltou de mil para 1.100 e três pessoas morreram nesse período, acometidas de covid-19. No dia 1º de fevereiro, o município de Jacundá registrou o 1000º caso. Em 28 dias, esse número aumentou em 10%. Conforme as informações do boletim epidemiológico divulgado na noite de segunda-feira, 1º de março, o município tem mais 100 casos confirmados, dos quais 63 ativos.  E o sinal vermelho acendeu, o que pode acarretar novas medidas com maior restrição.

Por mais de 80 dias o número de óbitos permaneceu com 24 vítimas, no entanto, nas últimas semanas três pessoas morreram em consequência do vírus. “A estratégia mais impactante nesse momento seria a intensificação da vacina. Mas, nos deparamos com duas barreiras: liberação e distribuição por parte do Ministério da Saúde a passos lentos, e a resistência à vacina da população priorizada”, explica a coordenadora do departamento de Vigilância em Saúde de Jacundá, Lícia Souza.

(Antonio Barroso)