Justiça determina retorno de Zé Martins à Prefeitura de Jacundá

O prefeito cassado, entretanto, não poderá assumir, pois tem contra si dois processos administrativos e o juiz julgou apenas um
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Jun Kubota, juiz de Direito da Comarca de Jacundá, deferiu parcialmente, na tarde desta quarta-feira, 27, mandado de segurança a favor do ex-prefeito José Martins de Melo Filho, o Zé Martins, cujo mandato cassado, por unanimidade, pela Câmara Municipal em 2017. Pela sentença, o magistrado determinou “o retorno do impetrante ao cargo de Prefeito do Município de Jacundá-PA, salvo se, por outro motivo, estiver afastado”. E José Martins está mesmo afastado por um segundo processo, o 005, conforme confirmação do ex-presidente da CMJ, vereador Lindomar dos Reis Marinho.

Na sentença, publicada hoje, o juiz Jun Kubota escreveu: “Concedo parcialmente a segurança pleiteada, diante da constatação da violação do direito líquido e certo do impetrante, para tornar nulo e sem efeito o Decreto nº 004/2018, que declarou a cassação do mandato do impetrante, bem como o Procedimento Administrativo nº 001/2018/CMJ/PA que lhe deu origem. Por conseguinte, determino o retorno do impetrante ao cargo de Prefeito do Município de Jacundá-PA, salvo se por outro motivo estiver afastado. Denego a segurança pleiteada com relação ao Procedimento Administrativo nº 002/2018/CMJ/PA, tendo em vista que não há nos autos prova pré-constituída de sua ilegalidade”.

A sentença é resultado de uma ação impetrada por Zé Martins contra a sua cassação. Segundo consta nos autos, o “Decreto Legislativo 004/2018, que declarou a cassação do seu mandado de Prefeito não foi publicado em Diário Oficial. Alega que em razão de sua natureza de ato normativo, o decreto em tela só produziria efeitos após sua publicação, pois a publicidade é requisito essencial à validade do ato e de produção de seus efeitos”.

Durante o desenrolar do processo de cassação, o então presidente do Legislativo de Jacundá, vereador Lindomar Marinho, teria praticado “ato supostamente ilegal e abusivo”. Ele presidiu as duas sessões que culminaram com a cassação do gestor, que respondia a dois processos. Um apurava crimes político-administrativos e outro apurava denúncias de improbidade administrativa.  Lindomar nega que tenha pratica qualquer ato ilegal durante a tramitação dos processos.

A Reportagem não conseguiu contato com o ex-prefeito Zé Martins nem com o atual, Ismael Barbosa.

Publicidade