Jacundá quer pregão de R$ 1,4 milhão contra coronavírus

Administração justifica que compra é emergencial e vai atender unidades de saúde, bem como ações itinerantes de enfrentamento à Covid. Ivermectina e hidroxicloroquina compõem pacote.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Com quase 900 casos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus e 20 mortes decorrentes da doença causada pelo vírus (a Covid-19), o município de Jacundá abriu pregão para registrar preços de uma infinidade de produtos, entre materiais hospitalares e medicamentos, para enfrentar a pandemia. A apuração das propostas comerciais, prevista para esta quinta (10), promete movimentar a cidade devido ao valor do processo: R$ 1.415.019,33. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas aqui.

O pacote contempla um pouco de tudo, desde insumos básicos do dia a dia do atendimento médico-hospitalar até medicamentos ainda hoje sem comprovação científica de eficácia contra a Covid-19, como as polêmicas azitromicina, ivermectina e hidroxicloroquina. Também foram comprados dipirona, paracetamol, AAS e dexametasona. A aquisição será paga com recursos do Fundo Municipal de Saúde.

A Prefeitura de Jacundá diz que a compra dos suprimentos é emergencial e que os insumos serão utilizados no hospital municipal, nos postinhos de saúde, no centro de referência para a Covid-19 e no hospital de campanha, além de ações itinerantes que se fizerem necessárias nas zonas urbana e rural, a fim de alcançar o maior número possível de pessoas. “Diante da atual conjuntura instalada pela Covid-19, é urgente a necessidade de solucionar os problemas reais, de modo a evitar a disseminação da pandemia”, justifica em nota o governo de Jacundá, adicionando que existem previsões legais que amparam a contratação.