Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

Feriado de Finados movimenta comércio de flores em Parauapebas

O cemitério da cidade também está sendo preparado para receber os visitantes no dia 2 de novembro

Na próxima sexta-feira, 2, milhares de pessoas devem visitar os dois cemitérios da cidade de Parauapebas com o objetivo de prestar homenagens aos familiares e amigos que já faleceram.

No cemitério mais antigo, que fica no bairro da Paz, há anos não se realiza sepultamentos. O movimento no local fica por conta dos visitantes. Atualmente, o que está em operação é o cemitério Jardim da Saudade, que fica na rodovia Faruk Salmen.

“É no dia de finados que recebemos o maior número de pessoas. Por aqui já está tudo pronto para que os familiares possam visitar os túmulos com tranquilidade”, diz Juvenal Freire, administrador do cemitério.

Além de homenagem aos mortos, a data traz expectativa de renda para muitas pessoas, como dona Maria dos Santos.

“Eu confecciono flores para vender no cemitério desde que vim morar aqui em Parauapebas. Isso já tem mais de 20 anos. Eu começo a produção com bastante antecedência e no Dia de Finados eu mesma vou vender no cemitério. E a renda já ajuda bastante nas despesas”, diz dona Maria.

Quem aproveita para faturar também nesta época são pequenos comerciantes. Seu Armando Souza, do bairro Cidade Jardim já percebe aumento na venda das velas. ” Muita gente gosta de garantir logo as velas para no dia de finados já sair de casa direto pro cemitério sem correr o risco de não ter mais no cemitério, ou mesmo comprar mais o produto mais caro”, diz o comerciante.

Limpeza

Há vários dias, equipes da Secretaria Municipal de Urbanismo (Semurb) estiveram realizando intenso trabalho de limpeza nos cemitérios. Entre os serviços executados estão o roço, capina e pintura.

Parauapebas

OAB quer a abertura da Praça da Justiça à população de Parauapebas

A praça, fechada à população, fica localizada ao lado do Fórum Trabalhista de Parauapebas, na Rua 6 esquina com D.

O presidente da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil em Parauapebas, Deivid Benasor, encaminhou ontem (02) ofício à Dra Milene da Conceição Moutinho da Cruz, titular da 3ª Vara do Trabalho e diretora do Fórum Trabalhista da Comarca de Parauapebas, solicitando a liberação dos portões de acesso à Praça da Justiça do Trabalho, localizada na área do Fórum Trabalhista, na esquina das Ruas D e 6, que atualmente estão fechados, impossibilitando o acesso da população ao referido espaço público.

“Vivemos em uma cidade onde são poucos os espaços e opções de lazeres públicos e certamente a dificuldade em acessar os referidos espaço, através do fechamento dos portões de acesso à referida praça, não é uma conduta esperada por este Tribunal e pela direção deste Fórum para com a população de Parauapebas”, diz trecho do ofício, que também foi assinado pelo vice-presidente da Subseção da OAB local, Guilherme Mello.

A Praça da Justiça foi inaugurada junto com o Fórum Trabalhista de Parauapebas, em agosto de 2015, e jamais teve seus portões abertos à população.

Orçada em R$14 milhões de Reais, a obra do Fórum Trabalhista e da Praça da Justiça foi construída pelo Tribunal Regional do Trabalho da Oitava Região em área de 3 mil metros quadrados doados pela Prefeitura Municipal de Parauapebas, na gestão de Darci Lermen.

Em contato com o secretário de Urbanismo de Parauapebas, Sr. Edmar Cruz, o Blog foi informado que a secretaria jamais solicitou a abertura da praça por considerá-la de propriedade do Tribunal, já que a manutenção é feita por ele.

Parauapebas

Secretaria de Urbanismo de Parauapebas retira outdoor que oferecia risco de acidente aos transeuntes

Secretário diz que 95 por cento dos outdoors instalados em Parauapebas estão irregulares e passam por avaliação

Na manhã desta sexta-feira (16), uma equipe da Semurb (Secretaria Municipal de Urbanismo) retirou e recolheu a estrutura de um outdoor que ficava localizado na Rodovia Faruk Salmen, Bairro Jardim Canadá, em frente à 20ª Seccional Urbana de Policia Civil. O motivo, segundo o secretário municipal de Urbanismo, Edmar Cruz Lima, era o risco que a placa estava representando a quem por ali passasse, uma vez que uma das partes já havia caído e o painel, já sem utilidade alguma, estava se deteriorando.

Edmar disse à Reportagem do Blog que 95% dos painéis e outdoors espalhados pela cidade estão irregulares, acrescentado que muitos proprietários dessas placas e cartazes já protocolaram pedidos de vistoria na Semurb, que vai avaliar a situação de cada um, pela ótica das normas que norteiam a postura nas vias públicas do município.

Retirada-de-outdoor-Edmar-Lima“Diariamente a nossa equipe de fiscalização está nas ruas verificando essas situações. Muitos desses outdoors estão em locais em que prejudicam a visibilidade de motoristas, outros estão causando poluição visual”, explica Edmar.

Para instalar um outdoor, o interessado deve se dirigir à Semurb e protocolar o pedido, que deve ir acompanhado de foto do local onde se pretende colocar, um mapa e um relatório identificado o endereço. “Caso nós não consigamos fazer uma avaliação aqui na Semurb, mesmo com todos esses dados, uma equipe vai até o endereço, acompanhada ou não, para fazer a avaliação a fim de sabermos se podemos ou não liberar aquele espaço”, afirma Lima.

Segundo ele, no momento a secretaria está fazendo estudos a fim de padronizar esse tipo de publicidade quanto a dimensões e altura do solo, para que os próximos, não venham enfear a cidade nem causar problemas a transeuntes.

No caso dos outdoors recolhidos, o material é levado e guardado no almoxarifado da Semurb. Caso, no prazo de 10 dias, o dono não se interesse em resgatá-lo, a prefeitura pode dar a destinação que achar mais adequada.

Sobre a ocupação de calçadas e canteiros por camelôs e ambulantes, o secretário de Urbanismo disse que esse tipo de atividade não pode obstruir o passeio público. Ele fez questão de ressaltar que não se trata de prejudicar a pessoa que tira desse trabalho o sustento de sua família, mas disse que tudo na cidade deve funcionar de forma organizada.

Reportagem: Ronaldo Modesto
Parauapebas

Última morada dos pioneiros de Parauapebas virou um imenso matagal

O Cemitério Jardim Eterno deixou de receber sepultamentos em 1999 e, em breve, deve ser desativado com a transferência das ossadas para o Cemitério Jardim da Saudade

A palavra cemitério tem origem no grego – koimeterion – e no significado original que dizer dormitório ou quarto de dormir. Em latim cometerium, tem o mesmo significado. Mas, parece que o dormitório ou quarto de dormir dos pioneiros de Parauapebas – o Cemitério Jardim Eterno, no Bairro Rio Verde – não vem recebendo muitos cuidados por parte da prefeitura, por meio da Semurb (Secretaria Municipal de Urbanismo). Foi o que constatou a Reportagem do Blog, no último domingo (14), quando esteve naquele local.

A falta de cuidado foi notada logo na entrada, pois não havia vigilante, vigia ou alguém que cuidasse da integridade do cemitério, de modo que quem quisesse poderia entrar sem ser notado ou perturbado. Não que o ingresso nos chamados campos-santos seja controlado, mas sabe-se que muitos penetram nesses locais para roubar objetos de metal de túmulos, usar drogas e até mesmo para práticas sexuais.

Cemitério (4)

Dentro do cemitério o cenário é de abandono, o matagal toma conta de tudo, deixando indignadas pessoas que têm parentes sepultados ali, como Silmara Araújo Costa, que mora em Parauapebas há 30 anos e tem parentes enterrados no Cemitério Jardim Eterno. “É um descaso para com o local de descanso das almas. A administração deveria dar a manutenção no cemitério periodicamente e transformá-lo em um lugar de constante visitação, já que ali está enterrada a maioria dos fundadores de Parauapebas”, protesta Silmara.

Ouvido pelo Blog, o administrador dos cemitérios de Parauapebas e responsável pelos serviços de roçagem, Juvenal de Lima Freire, afirma que no prazo de 10 a 15 dias o Cemitério Jardim Eterno vai passar por limpeza, dentro de um cronograma que já está em execução. Ele justifica a demora explicando que a equipe de roçagem é pequena e tem sob sua responsabilidade a limpeza de ruas e pátios de delegacias, escolas, postos de saúde, ruas, colégios e também da zona rural.

“Quando começa a chover muito o mato cresce rapidamente, principalmente em cemitério, onde a terra é viçosa”, afirma ele, que, indagado sobre a ausência de vigia no domingo, disse que ali deveria haver um e garantiu verificar o que havia acontecido. Disse, entretanto, que, mesmo com o vigia presente, é impossível evitar que dependentes químicos quebrem o muro para penetrar no cemitério a fim de consumir entorpecentes.

Também procurado pelo Blog, para se manifestar sobre o assunto, o secretário municipal de Urbanismo, Edmar Cruz Lima, disse que o cemitério foi inaugurado em 1981 e deixou de receber enterros em 1999. Afirmou que a prefeitura pretende desativá-lo e transferir as ossadas para o Cemitério Jardim da Saudade, na Rodovia Faruk Salmen, próximo do Bairro Vila Rica. Porém, para isso é necessária a construção de um ossário, “que já está em planejamento”. Ele não soube informar quantos corpos estão sepultados ali e disse que o campo-santo recebe manutenção constante.

Urbanismo

Mais segurança à comunidade: Rodovia Faruk Salmen recebe atenção do poder público

Quem passa pela via já começa a sentir as mudanças. Agora, o local está mais iluminado. O que representa mais segurança.

Mais iluminada, a Rodovia Faruk Salmen começará a chamar atenção de quem transita pelo local. A dona de casa Alairce Barbosa, que estava acompanhada do esposo e seguia durante a noite desta terça-feira (05) para um supermercado na localidade afirmou que se sentirá mais segura ao passar pela área, já que a prefeitura de Parauapebas vem colocando postes e e lâmpadas, e em breve a iluminação naquela área será restabelecida.

O trabalho está sendo feito após a indicação do vereador Elias da Construforte, presidente da Câmara Municipal de Parauapebas, que pediu ao governo municipal, que fosse feita a instalação de iluminação pública no perímetro que compreende a 20ª Seccional de Polícia Civil até a entrada da Palmares Sul.

“Iluminação pública de qualidade é um direito que temos que lutar sempre para garanti-lo à comunidade. Com os serviços implantados, os motoristas, pedestres e os que realizam caminhadas no perímetro serão beneficiados”, frisou o vereador, que reconheceu a dedicação da prefeitura em acatar a solicitação.

A empresa responsável pelo serviço de instalação do sistema elétrico afirmou que será usada fiação subterrânea, além 288 postes circulares com 14 metros de altura, e duas lâmpadas cada.

O vereador acredita que após a conclusão dos serviços de instalação da iluminação muitos roubos e acidentes deverão ser evitados na rodovia.

Para o delegado da Polícia Civil, Fabrício Andrade existe uma relação entre a iluminação pública e a criminalidade. “As características ambientais do local do delito têm influencia no aumento ou na diminuição das infrações penais, porque as áreas urbanas que melhoram a iluminação podem aumentar a percepção de segurança e contribuir para a diminuição dos índices de criminalidade”, destacou.

Depois de cobrar serviços públicos, comunidade do Garimpo das Pedras é atendida pela Semurb

Além da limpeza e manutenção da iluminação pública, a prefeitura está fazendo reparos na estrada que dá acesso ao ponto turístico.

Há uma semana o Blog produziu uma matéria sobre a denúncia da comunidade que reside no Garimpo das Pedras relacionada ao excesso de lixo e sujeira deixado por pessoas que vão visitar o local, um dos pontos turísticos de Parauapebas que tem atraído público considerável em função das águas termais de uma linda piscina natural. Depois da repercussão da matéria publicada pelo Blog a comunidade foi atendida em suas reivindicações.

“Dê à César o que é de César. Queremos agradecer à Prefeitura por ter enviado seu pessoal lá na nossa Vila e por ter feito a limpeza das nossas ruas e por ter colocado a iluminação que tanto precisávamos”, relatou em entrevista ao Blog, Edilson Pereira da Silva, presidente da Associação de Moradores e Extrativista do Alto Bonito II (conhecido como Garimpo das Pedras).

Garimpo-das-Pedras-2

Além dos serviços de limpeza urbana e iluminação pública, a comunidade também tem sido beneficiada com a melhoria da estrada que dá acesso ao ponto turístico. “Tem umas máquinas da Secretaria de Obras trabalhando lá nas estradas. Acredito que logo logo o serviço será concluído, o que vai melhorar o acesso. Somos agradecidos ao governo municipal pela atenção”, afirmou Edison Pereira.

Antes de procurar a imprensa, o representante da comunidade diz ter protocolado documentos de solicitações desses serviços e também da necessidade de disponibilização de uma ambulância para a comunidade, que fica distante do centro da cidade, reivindicação que ainda não foi atendida. “Acredito que a partir de agosto também seremos atendidos nesse pedido, inclusive, solicitamos que a contratação do motorista para a ambulância seja feita com de profissional aqui da comunidade”, afirmou Edilson Pereira.

Garimpo-das-Pedras-3

Cerca de mil pessoas residem no Garimpo das Pedras, conforme a presidência da Associação, e a Vila conta com um postinho básico de saúde, escola e campo de futebol.

Turismo

Rota turística de Parauapebas, Garimpo das Pedras corre ameaça de fechar por causa do lixo acumulado

Há nove anos aberta ao público, o Garimpo das Pedras atrai turistas de todos os cantos pela paisagem do local, além da piscina de água termal.

Localizado em território do município de Marabá, a 60 quilômetros do centro de Parauapebas, o Garimpo das Pedras foi descoberto há 33 anos por garimpeiros da região. De lá para cá, as jazidas têm produzido e comercializado milhares e milhares de toneladas de pedras de ametista para o Brasil e o mundo, tornando-se a segunda maior jazida do mundo, em termo de quantidade de reserva.

Paralela à produção mineral, em área do entorno da cava, existe um paraíso de águas termais com boa estrutura e aberto ao público em 2008 que vem recebendo cerca de dois mil visitantes por mês para descansar e desfrutar da natureza amazônica. Mas, um inconveniente vem  afetando o ecossistema da região e preocupando o presidente da Associação dos Moradores do Alto Bonito 2 (Garimpo das Pedras), Edilson Pereira. Trata-se da grande quantidade de lixo produzido pelos visitantes, fato que pode prejudicar a piscina termal.

Em recente entrevista ao Blog, Edmilson informou que está em campanha para que a atual administração do município retorne com a limpeza da comunidade, que deixou de ser realizada periodicamente desde o início de 2017.

GP2

“Parauapebas está desenvolvendo um projeto de turismo para a região, mas, para que tudo funcione a contento é necessário que seja feita a manutenção das luzes dos postes públicos, pois várias ruas da comunidade estão em total escuridão, prejudicando moradores e turistas e colocando em risco a segurança de todos. Sabemos que o lixo é responsabilidade da pessoa que produz, mas é da prefeitura a responsabilidade pelo armazenamento do mesmo nos lixões municipais. O que não pode acontecer é que o resto jogado pelas visitantes prejudique uma comunidade que oferece atrações turísticos naturais e gratuitas”.

Segundo recente informe da Secretaria Municipal de Urbanismo (Semurb) os moradores de Parauapebas e entorno produzem atualmente mais de 4 mil toneladas de lixo doméstico por mês. Toda essa quantidade de lixo e outros tipos de entulhos são recolhidos diariamente dos bairros da cidade e levado para o lixão municipal. O Blog não conseguiu contato com a Semurb para que esta informasse os motivos da descontinuidade dos serviços no local e se é de responsabilidade dela o recolhimento do lixo e a manutenção na iluminação pública na região do garimpo.

Parauapebas

Serviços urbanos em Parauapebas: avanços e desafios.

A Semurb é uma das secretarias da gestão Darci Lermen que vem apresentando trabalho satisfatório à população

A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semurb) de Parauapebas é uma das pastas que têm se destacado na atual gestão por conta da busca contínua de melhoria nos serviços prestados à população, principalmente no que tange à iluminação pública. Em função das dificuldades iniciais do governo, tanto com relação à contratação de mão de obra quanto à questões de contrato de fornecedores, apenas em março os serviços relacionadas à iluminação pública começaram de fato a serem executados, e desde então já foram trocados 2.220 pontos de luz, em toda a cidade.

Os bairros mais atendidos foram: Liberdade, Primavera, Chácaras, Cidade-Nova, Rio Verde, União, Bela Vista e Cidade Jardim. De acordo com o gestor da pasta, o engenheiro Edmar Cruz Lima, as equipes de manutenção da iluminação pública se dividem para atender as demandas emergenciais que chegam à secretaria de diversas formas, e também as demandas programadas pelo planejamento do setor. Segundo Edmar Cruz, Parauapebas tem hoje mais de 30 mil pontos de iluminação pública espalhados pelos 88 bairros

Solicitações de serviços de iluminação pública podem ser feitas via WhatsApp, pelo número 98808-0295, ou pelo telefone fixo da secretaria, que é o 3356-1023. Muitas demandas têm chegado por meio da Ouvidoria Geral do município, de acordo com o secretário. “Temos tentado priorizar as mais urgentes, como os pontos escuros em proximidades de escolas”, destacou o secretário, informando que a gestão tem enfrentado sérios problemas com o furto de cabos de cobre, utilizados para interligar a energia de um poste ao outro.

Edmar

“Como o cobre tem um grande valor de mercado, os bandidos roubam mesmo. Já foram mais de 20 mil metros do início do ano até então. Por isso que avenidas como a PA-2775 ficam às escuras por um bom período”, explicou o secretário. Outra ação que merece destaque é o acompanhamento e respectivo mapeamento da utilização de boxes nas feiras e mercados municipais cedidos pela Prefeituras, assim como dos quiosques em áreas públicas.

Ao todo são 63 quiosques, sendo que alguns não estão sendo utilizados ou estão com uso indevido. Nesse mapeamento foi identificado que 99 boxes localizados no CAP, Mercado Municipal e Feirinha da Rua B estão fechados ou com funcionamento irregular. “Fizemos um apanhado geral e estamos em diálogo contínuo com os feirantes em busca de melhorias. Já disponibilizamos, inclusive, pessoal para cuidar da limpeza geral desses locais e da vigilância”, informou o secretário.

Semurb1

A coleta de lixo em Parauapebas continua sendo realizada pelo consórcio Parakanã. Porém, a nova gestão da Semurb tem cobrado mais eficiência na realização do serviço, que coleta lixo doméstico e patológico na zona urbana e rural da cidade. Mutirões de limpeza também têm sido realizado em diversos bairros da cidade e o serviço de campina e roçagem alcançou as principais avenidas, tais como a PA -275 e a Faruk Salmen, e também as praças públicas. “Agora que concluímos o serviço de limpeza nas avenidas, vamos reiniciar o ciclo nelas e começar a atuar também dentro dos bairros”, informou o titular da Semurb.

Desocupação de áreas públicas

Uma das atribuições da Semurb é zelar pelos espaços públicos e pela aplicação do Código de Postura do município. Neste sentido, foi realizada a retirada dos ambulantes que voltaram a ocupar a área do “pé inchado”, que havia sido desocupada na gestão passada. “Desde o dia 15 de janeiro a gente vinha conversando com eles, informando previamente que faríamos a retirada. Infelizmente, alguns não acreditaram, mas cumprimos com o nosso dever. Aqueles que fecharam acordo com a gente recebeu todo o apoio logístico. Muitos foram para o CAP e estão bem satisfeitos”, reforçou Edmar Cruz.

Duas grandes invasões na área rural da cidade foram desarticuladas com ações da Semurb, que contou com apoio de órgão de segurança. Mais de 200 pessoas que invadiram a área do Distrito Industrial foram removidas, assim como os ocupantes da área em que será construído o Campus da UEPA, em Parauapebas.

Desafios

Dentre os desafios da pasta apontados pelo gestor, que tem um visão ampla e de longo prazo sobre as principais necessidades dos serviços urbanos em Parauapebas, estão: melhoria contínua do sistema de iluminação pública, inclusive já existe um plano específico para alcançar esse objetivo; desenvolvimento do aterro sanitário; aquisição de área para novo cemitério; identificação dos logradouros; manutenção eficiente das praças públicas.

No caso do cemitério, se o índice de mortalidade seguir no ritmo atual, a expectativa de vida útil é de apenas um ano e meio, e, como o processo de licenciamento é demorado e complexo, a gestão da Semurb já tem um plano para trabalhar com sepulturas verticais, o que vai render pelo menos mais dois anos de vida útil para o atual cemitério