Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Jacundá

Comissões recomendam cassação do mandato do prefeito Zé Martins

Câmara de Jacundá deve votar, nos próximos dias, os pareceres favoráveis à destituição do gestor municipal

A qualquer momento a Câmara Municipal de Jacundá pode realizar sessão extraordinária para votar os dois pareceres abertos contra o prefeito afastado José Martins de Melo Filho, o Zé Martins. As comissões apresentaram relatório final e concluíram que o gestor deverá ter o mandato cassado.

As denúncias de infrações político-administrativas foram protocoladas pelo vice-prefeito Ismael Barbosa no dia 14 de maio deste ano na Câmara de Vereadores. Na primeira denúncia, o gestor é acusado de “omissão no dever de prestar contas”. A segunda apura saques de recursos públicos diretamente na “boca do caixa”.

Ambos relatórios foram apresentados no dia 20 deste mês. “Julgo procedente a representação formulada pelo eleitor (Ismael Babosa), para condenar o denunciado José Martins de Melo Filho”.

Segundo o relatório, Zé Martins não enviou documentação comprobatória das liquidações do exercício de 2017. “A conclusão desta comissão processante é pela cassação do mandato eletivo do senhor José Martins de Melo Filho”, concluiu a comissão composta pelos vereadores Rafael Comin, Tharlles Borges e Raylane Soares.

Veja também:  Durante tempestade, teto da Câmara Municipal de Canaã quase desaba

A segunda comissão também pede a condenação do prefeito afastado. “Em virtude dos saques na boca do caixa no valor de R$ 817.632,67, desviados do erário municipal e a omissão no dever de prestar contas com o contribuinte no montante sacado. A conclusão desta comissão processante é pela cassação do mandato do gestor José Martins de Melo Filho”. O relatório é assinado pelos vereadores Eliane Pinheiro, Daniel Siqueira Neves e Mariza Alves da Silva.

O prefeito José Martins foi procurado pela Reportagem e não respondeu aos contatos. O presidente da Câmara Municipal, vereador Lindomar Marinho, também foi procurado e não respondeu aos questionamentos.

Antonio Barroso – de Jacundá

Deixe uma resposta