Câmaras do Pará pagaram quase R$ 250 milhões de salários em 2018

Belém, Parauapebas e Marabá têm os legislativos mais caros, em valores absolutos, mas é Canaã dos Carajás quem gasta proporcionalmente mais em relação ao tamanho de sua população. Folhas de pagamento sustentariam prefeituras inteiras Brasil adentro.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Se a Câmara de Vereadores de Marabá fosse uma prefeitura, teria despesa com servidores superior à de, pelo menos, 13 municípios paraenses. Se a Câmara de Vereadores de Parauapebas fosse uma prefeitura, sua folha de pagamento seria maior que a de, no mínimo, 18 municípios. Se a Câmara de Belém fosse uma prefeitura, desembolsaria mais recursos com o funcionalismo que ao menos 59 municípios.

Sim, alguns legislativos municipais no Pará têm poder financeiro para intimidar muitas prefeituras e a “bala na agulha” ficou comprovada na entrega da última prestação de contas de 2018. O Blog do Zé Dudu visitou o portal da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) nesta quarta-feira (13) e vasculhou todos os Relatórios de Gestão Fiscal (RGFs) entregues pelas câmaras municipais do Pará para mensurar o fardo que carregam em relação à despesa com pessoal.

Dos 144 legislativos municipais, 67 (ou 47% do total) entregaram o balanço referente ao último quadrimestre de 2018 — ou ao último semestre, no caso dos municípios que optaram por fazê-lo de maneira semestral. Juntas essas casas de leis pagaram R$ 247.867.199,68 em salários, com folhas que variam de R$ 60,6 milhões, como no caso de Belém, até R$ 495 mil, como o Legislativo de Peixe-Boi.

No entanto, não é considerada no cálculo a informação prestada pela Câmara de Abel Figueiredo, que indicou despesa com servidores da Casa da ordem de R$ 10,81 milhões. O Blog estranhou o “peso” da folha do pequeno município e percebeu que houve confusão na publicação do RGF por parte da gestão local, de maneira que o valor reportado pelo Legislativo é, em verdade, o gasto com pessoal do Executivo. Até o segundo quadrimestre de 2018, a Câmara de Abel Figueiredo teria gasto pouco mais de R$ 565 mil com os servidores da Casa e dificilmente aumentaria sobremaneira esse valor para 20 vezes mais.

Multimilionárias

O custo para manter a máquina dos legislativos de pé praticamente segue a mesma lógica da arrecadação das prefeituras, com poucas mudanças de ordem. Nos três primeiros lugares estão os municípios com as maiores arrecadações. A Câmara de Belém, com dispêndio de R$ 60,58 milhões com servidores, é soberana.

Em um ano de folha de pessoal, o Legislativo do município teria condições de sustentar 46 prefeituras paraenses inteiras, as quais não conseguiram arrecadar tudo isso durante 2018. O Blog levantou que os custos da Câmara de Belém com seus 1.024 vínculos salariais são maiores que a arrecadação da prefeitura de, por exemplo, Medicilândia. Aquele município da Transamazônica arrecadou ao longo do ano passado R$ 59,42 milhões líquidos, quantia com a qual teve de se virar nos trinta para dar conta de garantir serviços essenciais básicos a nada menos que 31,2 mil habitantes. O Poder Legislativo de Belém gasta mais com pessoal que a arrecadação inteira de 4.170 prefeituras do Brasil.

O segundo Poder Legislativo mais rico é o de Parauapebas, que liquidou exatos R$ 19.564.993,89 com salários de funcionários e agentes políticos. Para quem acha o valor uma mixaria, basta ver que a Prefeitura de Magalhães Barata, que cuida de 8,5 mil habitantes, só conseguiu arrecadar R$ 19,38 milhões durante o ano passado. As prefeituras de Bannach (R$ 18,8 milhões e 3,3 mil habitantes para cuidar) e São João da Ponta (R$ 16,75 milhões e 6,1 mil moradores) também não são páreo para a folha da Câmara de Parauapebas, que sustenta 306 vínculos. O Poder Legislativo de Parauapebas gasta mais com pessoal que a arrecadação inteira de 1.830 prefeituras do país.

Já a Câmara de Marabá, terceira mais forte do Pará em termos de despesa com pessoal, usou R$ 17.247.971,21 com seu quadro. O valor não é qualquer coisa, e o Blog fez questão de levantar a arrecadação de todas as 5.568 prefeituras brasileiras para posicionar o custo do legislativo marabaense: é maior que a arrecadação inteira de 1.470 prefeituras do Brasil. São governos que administram municípios que variam de 800 a 10,5 mil habitantes, como o caso de Uiramutã, em Roraima, onde a receita de R$ 16 milhões para cuidar de 10,3 mil moradores é inferior ao custo dos 254 nomes que aparecem na folha de pagamento da Casa em janeiro deste ano.

Os três maiores salários da Câmara de Marabá no mês passado — dois cargos de direção e um de assessoramento — superaram o salário dos vereadores da Casa, de R$ 12.500. Aliás, entre as três grandes câmaras do Pará, a de Marabá é a que possui a melhor média salarial, superando até a de Parauapebas — e só perde para as despesas médias das câmaras de Barcarena e Canaã dos Carajás.

Além dessas câmaras, os legislativos de Barcarena (R$ 12 milhões com folha) e Santarém (R$ 11,06 milhões) também se destacam por apresentarem despesas absolutas com sua estrutura funcional superiores a R$ 10 milhões. Proporcionalmente ao tamanho de sua população, 36 mil habitantes, a Câmara de Canaã dos Carajás, com R$ 7,21 milhões liquidados em folha, é a mais cara do Pará. Isso demonstra, também, o poder financeiro do município, cuja arrecadação líquida foi de aproximadamente R$ 353 milhões em 2018, em linha com o 8º lugar e com a arrecadação bruta anunciados pelo Blog (veja aqui) no começo deste ano.

Confira a lista de gastos das legislativos municipais preparada pelo Blog!

 

Publicidade