Coluna Direto de Brasília #67 – Por Val-André Mutran

Uma coletânea do que os parlamentares paraenses produziram durante a semana em Brasília
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Destaque da semana

Troca de guarda na PGR

O Senado aprovou na quarta-feira (25) a indicação do nome do subprocurador-geral da República Augusto Aras, para substituir Raquel Dodge na Procuradoria Geral da República (PGR). Ela deixou o cargo no dia 17 de setembro. O órgão está sendo tocado interinamente pelo subprocurador-geral Alcides Martins. A indicação é prerrogativa do Presidente da República. Jair Bolsonaro preferiu escolher um nome de fora da lista tríplice da própria PGR.

Ausências

A votaçao apontou 68 senadores favoráveis, 10 contrários e uma abstenção. Dis senadores estavam ausentes: Jorge Kajuru (Cidadania-GO) e Jader Barbalho (MDB-PA). No mesmo dia, mais cedo, o nome de Aras teve aval da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) pelo placar de 23 votos favoráveis e apenas três contrários. Como a votação é secreta, o eleitor não saberá que votou a favor, muito menos quem foi contra a indicação. O Senado tem de acabar com esse tipo de segredo urgentemente, se quiser melhorar a sua imagem institucional perante a sociedade.

Funções do Procurador-Geral da República

Cabe ao procurador-geral da República chefiar o Ministério Público da União (MPU) por dois anos. O órgão abrange os ministérios públicos Federal, do Trabalho, Militar, do Distrito Federal e Territórios. Também tem a função de representar o Ministério Público no Supremo Tribunal Federal (STF) e, às vezes, no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Também desempenha a função de procurador-geral eleitoral.

Prerrogativas do Procurador-Geral I

No STF, o procurador-geral tem, entre outras prerrogativas, a função de propor ações diretas de inconstitucionalidade (ADIN) e ações penais públicas. Cabe ao procurador-geral, também, pedir abertura de inquéritos para investigar o presidente da República, ministros, deputados e senadores. Ele também tem a prerrogativa de apresentar denúncias nesses casos.

Prerrogativas do Procurador-Geral II

O PGR pode ainda criar forças-tarefas para investigações especiais, como é o caso do grupo que atua na Operação Lava Jato. Também pode encerrá-las ou ampliá-las. O PGR, contudo, não é o chefe no sentido clássico. Existe a independência funcional dos membros, não sendo possível fazer um controle hierárquico no âmbito do Ministério Público.

Sérgio Reis em Parauapebas

O ex-deputado federal Sérgio Reis, um dos artistas mais queridos do Brasil, confirmou sua presença, em vídeo enviado na quarta-feira (25) à Coluna, na Audiência Pública no sábado (28), a partir das 15h, na Câmara Municipal de Parauapebas, para apoiar as medidas do governo para a regularização dos minimineradores e garimpeiros da Amazônia e a mineração em Terras Indígenas.

Senador presente

Além de ser a peça-chave política no Congresso Nacional na solução do problema para a legalização dos mini mineradores do Brasil, o senador Zequinha Marinho (PSC-PA) está usando de toda a influência política de seu mandato para o envolvimento das autoridades federais no processo legislativo federal a fim de solucionar definitivamente a situação de ilegalidade do setor dos mini mineradores em todos os estados do Brasil.

Deputado Delegado Caveira na audiência

Comprometido com os encaminhamentos para a solução dos problemas da classe dos minimineradores, garimpeiros e possibilidade de mineração nas áreas indígenas no âmbito estadual e com forte votação na região do entorno da Província Mineral do Carajás, quem também enviou, bem cedo, um vídeo à Coluna, confirmando sua presença na audiência pública em Parauapebas, foi o deputado estadual Delegado Caveira.

Valorização aos índios

Os índios são brasileiros, nossos irmãos e também têm o direito de ter ganhos financeiros explorando as riquezas de suas terras, como qualquer brasileiro. Essa visão de tutelar o índio como se ele fosse um idiota é coisa de gente atrasada e fruto do ranço colonialista da cultura branca e exploradora europeia.

Voz atuante

As regras que serão definidas no processo de regularização do setor mineral explorado pelos minimineradores e pelo índios, que estão sendo desenhadas pelo atual governo, serão chanceladas pelo Congresso Nacional, com o índio, o miniminerador e o garimpeiro tendo, pela primeira vez, protagonismo e voz nas decisões.  É importante que o processo priorize a sustentabilidade e obediências às leis ambientais. Quem puder comparecer poderá assistir a essa importantíssima audiência pública com a presença de autoridades das três esferas do poder e setores interessados no assunto.

Coordenação e apoios I

A audiência pública está sendo articulada pelo coordenador-geral da Federação Brasileira de Mineradores (Febram), ex-deputado Cláudio Almeida, com apoio de Cooperativas de Pequenos Mineradores do Pará, garimpeiros, sindicatos do setor e Gabinete do senador Zequinha Marinho (PSC-PA).

Coordenação e apoios II

Na ocasião, serão apresentados os avanços do Grupo de Trabalho (GT) criado pela Portaria N° 108, de 11 de Julho de 2019, ordenada pelo presidente da República Jair Bolsonaro, publicada pelo Ministério de Minas e Energia/Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, que tem a tarefa de simplificar o Regime de Outorga de Lavra Garimpeira e legalizar a atividade de mini mineradores em todo o território nacional. O evento será aberto ao público, respeitando a lotação da Câmara Municipal, que teve total apoio de seu presidente, vereador Luiz Alberto Moreira Castilho.

Audiência na CME

A questão mineral também foi tema de audiência essa semana na Comissão de Minas e Energia (CME) da Câmara dos Deputados. Proposta pelo deputado federal Joaquim Passarinho (PSD-PA), os debatedores discutiram os benefícios de transformar os garimpos em empresas legalizadas. A situação jurídica dos garimpeiros não pode mais ser adiada, reconheceram os representantes do Ministério de Minas e Energia (MME).

Esforços

O governo abriu os olhos para a situação e está envidando esforços para regularizar os garimpos, uma vez que a medida aumentaria a arrecadação de tributos e aprimoraria o controle do Estado sobre as unidades de conservação.

Relevância econômica

Num país em crise econômica desde 2013, o setor mineral tem peso relevante na economia nacional. Segundo o MME, o setor de mineração representa 4% do Produto Interno Bruto (PIB) e 22% da pauta de exportações do País, algo próximo de US$ 11 bilhões de dólares (R$ 45,87 bilhões)  apenas entre janeiro e julho deste ano.

Destravar os processos

Na audiência, o secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério das Minas e Energia (MME), Alexandre Vidigal, ressaltou o compromisso assumido pelo governo para destravar mais de 200 mil processos envolvendo pesquisa e lavra de minérios que aguardam a análise da Agência Nacional de Mineração (AMN). “Não queremos mais tratar a mineração apenas como patrimônio e sim transformá-la em riqueza”, completou.

Meio ambiente

Os danos ambientais também foram discutidos na audiência. Representando o Departamento de Desenvolvimento Sustentável do MME, Gabriel Maldonado citou exemplos de compatibilidade entre exploração de minérios e preservação ambiental e destacou o potencial arrecadatório da regularização de garimpos ilegais no País, que, segundo ele, faturam entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões por ano.

Estado parceiro

Para Maldonado, o Estado deve ser educador e não apenas repressor. “Precisamos levar tecnologias, ensinar técnicas de manejo adequado e de recuperação de áreas”, defendeu.Durante o debate entidades ligadas ao garimpo criticaram a criação de diversas unidades de conservação colocando tradicionais áreas de garimpo na ilegalidade.

Mendicância mineral

“Enquanto o País não reconhecer a existência do garimpeiro como ele é, não vai chegar a lugar nenhum. Nós não conseguimos sair de uma simples mendicância mineral para chegar ao topo como minerador. Essa lei não nos permite nenhuma possibilidade de evolução empresarial”, observou o fundador da União Nacional dos Garimpeiros e Mineradores do Brasil, José Machado.

Empresas legalizadas

O deputado Joaquim Passarinho comentou os benefícios de transformar os garimpos em empresas legalizadas. “Quando você legaliza, você conhece o CNPJ de quem está explorando lá. Se houver excessos, a polícia pode bater lá para cobrar”, disse. “Nós precisamos é dar dignidade para quem está ali produzindo”, disse.

Leia a reportagem completa aqui.

Sem Conab

Deputado Federal Júnior Ferrari (PSD-PA) tentando reverter no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), a decisão do governo federal de fechar a unidade da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em Santarém, um dos maiores produtores de grãos no Pará. A se confirmar o fechamento da unidade, a medida será um grande retrocesso para o estado do Pará.

Falidos?

O que a Coluna conseguiu apurar é que no Pará, vários Armazéns da outrora poderosa Cobal e unidades da Conab, estariam abandonados ou com suas dependências invadidas.

Estariam falidos?

Respostas na próxima Coluna.

Produção legislativa

O deputado federal Delegado Éder Mauro (PSD-PA), Vice-Líder do partido na Câmara dos Deputados e Coordenador da Banca do Pará na Casa, está em alta produção legislativa e apresentou três projetos de lei em dois dias nessa semana. São eles: o PL 5213 /2019, 5214/2019 e 5446/19.

Nova redação no Estatuto do Garimpeiro I 

A Coluna comentará nessa edição o PL 5213/2019 que altera a Lei n° 11.685, de 2 de junho de 2008 – Estatuto do Garimpeiro e a Lei n° 7.805, de 18 de julho de 1989, cuja redação acrescenta o Art. 9° “Fica assegurado ao garimpeiro, em qualquer das modalidades de trabalho, o direito de comercialização da sua produção diretamente com o consumidor final e com agências bancárias tecnicamente preparadas, desde que se comprove a titularidade da área de origem do minério extraído.”

No Art. 10 a redação proposta acrescenta um parágrafo único:

Parágrafo único. No âmbito da competência de que trata o caput, o Ministério de Minas e Energia:

I – Criará um cadastro nacional dos garimpeiros autônomos, cooperativas de garimpeiros e associações.

II – Disponibilizará cursos técnicos sobre os processos de garimpagem, garimpo sustentável e educação ambiental; e,

III – Promoverá incentivos técnicos e financeiros ao garimpo que utilizar procedimentos menos nocivos ao meio ambiente.

Nova redação no Estatuto do Garimpeiro II 

O parlamentar aperfeiçoa o Estatuto do Garimpeiro, propondo no CAPÍTULO V das DISPOSIÇÕES FINAIS o seguinte artigo:

Art. 16-A Fica definido o valor máximo de 5% da produção do garimpo como pagamento ao proprietário da terra onde o garimpo se instalar, ficando o garimpeiro obrigado a recuperar a área que ele degradar no final da atividade, nos termos do regulamento.

Art. 2° A Lei no 7.805, de 18 de julho de 1989, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 5°

IV – os títulos minerários que não tiveram suas lavras iniciadas em até 5 (cinco) anos da sua publicação no diário oficial do alvará da pesquisa, desde que não ultrapasse 11 (onze) metros de profundidade.

Art. 14

IV – em áreas em atividade ou paralisadas, desde que o garimpeiro cumpra as obrigações ambientais do titular da área e com o proprietário das terras.

Art. 3° Os bancos oficiais de fomento estabelecerão linhas de crédito para financiar as atividades das cooperativas de garimpeiros e as atividades de recuperação das áreas degradadas pelas prefeituras municipais.

Art. 4° Fica proibido o uso de mercúrio e cianeto em garimpos e o descarte de equipamentos de garimpos em áreas que estejam fora de unidades de conservação dos usos restritos e em terras indígenas. Na próxima edição a Coluna abordará os outros dois projetos apresentados pelo deputado.

Estatuto III 

O parlamentar aperfeiçoa o Estatuto do Garimpeiro, propondo no Capítulo V das DisposiçÕes Finais o seguinte artigo:

Art. 16-A Fica definido o valor máximo de 5% da produção do garimpo como pagamento ao proprietário da terra onde o garimpo se instalar, ficando o garimpeiro obrigado a recuperar a área que ele degradar no final da atividade, nos termos do regulamento.

Estatuto IV

Art. 2° A Lei no 7.805, de 18 de julho de 1989, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 5°

IV – os títulos minerários que não tiveram suas lavras iniciadas em até 5 (cinco) anos da sua publicação no diário oficial do alvará da pesquisa, desde que não ultrapasse 11 (onze) metros de profundidade.

Art. 14

IV – em áreas em atividade ou paralisadas, desde que o garimpeiro cumpra as obrigações ambientais do titular da área e com o proprietário das terras.

Estatuto V

Art. 3° Os bancos oficiais de fomento estabelecerão linhas de crédito para financiar as atividades das cooperativas de garimpeiros e as atividades de recuperação das áreas degradadas pelas prefeituras municipais.

Art. 4° Fica proibido o uso de mercúrio e cianeto em garimpos e o descarte de equipamentos de garimpos em áreas que estejam fora de unidades de conservação dos usos restritos e em terras indígenas.

Na próxima edição a Coluna abordará os outros dois projetos apresentados pelo deputado.

Alta produção

Quem também apresentou quatro projetos de lei essa semana foi o deputado federal Cássio Andrade (PSB-PA) que, por questões de espaço nessa edição, serão abordados na próxima edição.

Andrade Vice-Líder do PSB na Câmara, registrou em Plenário o transcurso hoje, Do Dia Mundial do Turismo. Aproveitou e convidou todos a conhecerem as belezas do lindíssimo Estado do Pará, especialmente agora em outubro, durante dos festejos do Círio de Nazaré, a maior procissão católica a céu aberto do Mundo.   

Empregos em alta I

O Brasil teve pelo quinto mês consecutivo saldo positivo de emprego. No melhor agosto desde 2013, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), divulgado na quarta-feira (25), pela Secretaria de Trabalho da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, registrou 121 mil postos de trabalho com carteira assinada gerados no país.

Empregos em alta II

O resultado de agosto representa uma variação de 0,31% em relação ao mês anterior. Foi o melhor resultado para o mês de agosto desde 2013, segundo os números. No acumulado de 2019 foram criados 593.467 novos postos, com variação de 1,55% do estoque do ano anterior. No mesmo período de 2018 houve crescimento de 568.551 empregos.

Empregos em alta III

Entre os principais setores da economia, quatro tiveram saldo positivo de emprego e em dois houve mais fechamento de vagas no mês encerrado em agosto. Lidera o número de empregos gerados a área de serviços (61.730 postos), seguida por comércio (23.626), indústria de transformação (19.517), construção civil (17.306), administração pública (1.391) e extrativa mineral (1.235). Apresentaram saldo negativo a agropecuária (-3.341 postos) e os serviços industriais de utilidade pública/SIUP (-77 postos).

De volta, na próxima semana

Acompanhe as notícias exclusivas de Brasília sobre o trabalho da bancada paraense em Brasília, ao longo da semana, aqui no Blog do Zé Dudu

A Coluna volta semana que vem.

Um ótimo final de semana a todos.

Val-André Mutran – É correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.

Relacionados