Câmaras de Canaã, Curionópolis e Parauapebas são as mais custosas do Pará

Despesa do governo de Darci Lermen com Câmara de Parauapebas é mais que dobro da despesa de Tião Miranda com Câmara de Marabá. Gasto por habitante é maior em Canaã.
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Os três municípios da Região Norte que mais dependem da atividade mineral e, por isso, ostentam recursos financeiros que esmagam a concorrência são também os que mais gastam para sustentar a Câmara de Vereadores local. Canaã dos Carajás, Curionópolis e Parauapebas fez cada cidadão tirar do bolso pelo menos R$ 70 no primeiro semestre deste ano para manter o Poder Legislativo, conforme informações declaradas pelos respectivos governos ao Tesouro Nacional.

O Blog do Zé Dudu puxou a ficha de 57 prefeituras que declararam adequadamente suas despesas do 3º bimestre por meio do Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO) e constatou que os repasses conjuntos ao Legislativo totalizaram uma montanha de R$ 120,5 milhões. Os parlamentos que mais receberam recursos foram o de Belém, R$ 25,2 milhões, e o de Parauapebas, R$ 15,9 milhões.

A Prefeitura de Parauapebas, segunda mais rica do Pará depois de Belém, repassou à Câmara de Vereadores local mais que o dobro de Marabá, onde o parlamento recebeu no primeiro semestre R$ 7,03 milhões — e detalhe: Marabá tem mais vereadores que Parauapebas. Também gastou mais que as prefeituras de Ananindeua (R$ 8,06 milhões) e Santarém (R$ 6,33 milhões), municípios bem mais populosos e com número mais elevado de vereadores também.

Despesa por habitante

Proporcionalmente, a maior despesa por habitante de uma prefeitura com a câmara está em Canaã dos Carajás. No rico município, que se sustenta pela indústria extrativa mineral realizada pela multinacional Vale, foram gastos cerca de R$ 92 por pessoa no primeiro semestre deste ano para manter de pé a Casa de Leis. Ao todo, a Prefeitura de Canaã liquidou R$ 3,31 milhões com o Poder Legislativo.

Em segundo lugar está outro município igualmente dependente da mineração e da Vale: Curionópolis. A prefeitura local liquidou nos primeiros seis meses do ano R$ 1,57 milhão em despesas com a Câmara. Na prática, cada um dos 18 mil habitantes de Curionópolis desembolsou no período pelo menos R$ 87 para manter a sede do parlamento em funcionamento.

Parauapebas, onde a prefeitura liquidou R$ 15,9 milhões em despesas com o Legislativo, é o terceiro município do Pará cujos impostos da população mais são usados para sustentar a Câmara. Em média, R$ 78 saíram do bolso de cada parauapebense em seis meses para pagar as despesas da Casa de Leis. Xinguara (R$ 56) e São João da Ponta (R$ 53) endossam o filão das despesas por habitante, com moradores que pagam no mínimo R$ 50.

No outro extremo, o município de Primavera é o lugar no qual a população gastou menos com os vereadores: R$ 6,61. Ele é acompanhado de Bragança (R$ 12,44), São Miguel do Guamá (R$ 13,62) e Marituba (R$ 13,92). Confira quanto a prefeitura de seu município liquidou no primeiro semestre deste ano com a Câmara local e a média da despesa por habitante!

Publicidade