Comissão parlamentar é criada para acompanhar licenciamento ambiental de Serra Leste

Deputado Eliel Faustino, de quem partiu a iniciativa, irá presidir a comissão, cujo maior objetivo será agilizar processo para desemperrar extração de ferro em Curionópolis
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Uma comissão parlamentar externa da Assembleia Legislativa irá acompanhar de perto, junto à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), o andamento do processo de licenciamento ambiental do Projeto Serra Leste, no município de Curionópolis, que desde 2017 está emperrado, impedindo o avanço da exploração de minério de ferro na região, pela mineradora Vale.

A criação da comissão está em requerimento do deputado Eliel Faustino (DEM), apresentado ontem (5) em caráter de urgência e aprovado hoje (6) pela Assembleia Legislativa. “Precisamos agilizar essa licença ambiental, em prol da qual já estamos trabalhando desde o governo anterior. Curionópolis não pode ficar prejudicado”, enfatiza o parlamentar.

Por ser o autor da proposta, Eliel Faustino irá presidir a comissão formada por mais quatro deputados. O líder do DEM vai conversar esta semana com o presidente da Alepa, deputado Daniel Santos (MDB), para que ele solicite às bancadas indicações de membros que deverão fazer parte do grupo.

Com a comissão formada, será organizada uma agenda de trabalho e, inicialmente, serão solicitadas audiências com o governador Helder Barbalho e com o titular da Semas, Mauro Ó de Almeida. Em entrevista ao Blog do Zé Dudu, Eliel Faustino adiantou que, se houver necessidade, os deputados irão visitar Curionópolis.

A urgência em solucionar o problema, explica o líder do DEM, deve-se ao fato que o Projeto Serra Leste é o motor econômico de Curionópolis. São cerca de 400 empregos diretos gerados pelo empreendimento. “É importante o funcionamento dessa segunda parte do projeto Serra Leste para que as pessoas tenham emprego, renda e o município possa auferir tributos para manter políticas públicas. Com esta comissão, vamos acompanhar atentamente, cobrar uma análise célere do licenciamento para garantia dos direitos da população e a manutenção dos serviços públicos no município”, adianta Faustino.

Apresentado em 2006 e em operação desde 2015, o projeto está impedido de expandir a exploração de minério da atual capacidade de 6 milhões de toneladas por ano (Mtpa) para 10 Mtpa por falta de autorização da Semas. Segundo a Vale, o volume da reserva de Serra Leste disponível para lavra é de 256,2 milhões de toneladas (Mt) de ferro, com teor médio de 65,4% de hematita, sendo 29 Mt de hematita dura na jazida lavrada na primeira etapa do empreendimento, denominado SL1.

O funcionamento da segunda etapa está condicionado a estudos biológicos e espeleológicos associados a cavernas localizadas na área do projeto. Decorre disso a morosidade na avaliação ambiental. “Este licenciamento é essencial para a manutenção das operações da unidade e seu plano de crescimento, tendo em vista que a empresa Vale sempre paralisa as atividades no Serra Leste quando atinge a produção autorizada, de 6 milhões de toneladas ao ano”, diz Eliel Faustino.

Em junho deste ano, cerca de 150 trabalhadores do projeto interditaram a PA-275, em Curionópolis, para chamar atenção do governo para o problema. No mês seguinte, o governador Helder Barbalho se reuniu com a diretoria da Vale para tratar do problema. Agora, mais um ano chega ao final, sem que a Semas libere o licenciamento ambiental do projeto.

Para Eliel Faustino, como representante do povo paraense a Assembleia Legislativa precisa se inserir no problema “buscando informações sobre o andamento do processo de licenciamento ambiental, realizando diligências com o intuito de viabilizar uma análise mais célere e criteriosa por parte da secretaria responsável e realizando intermediações com o governo do estado, a Vale, os trabalhadores diretamente afetados pelas paralisações [do projeto] e demais entidades interessadas no tema”.

Publicidade

Relacionados