Relatório sobre barragens no Pará será entregue na segunda-feira

Foram sete meses de muito trabalho da comissão temporária criada pela Alepa, para verificar situação das obras no Pará.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Criada em fevereiro deste ano pela Assembleia Legislativa, logo após a tragédia na cidade de Brumadinho (MG), e instalada em abril, a Comissão Externa de Barragens presidida pela deputada Marinor Brito (PSol) irá apresentar e entregar à Mesa Diretora o relatório com o resultado das análises sobre a situação das principais barragens de mineração no Pará.

Inicialmente, a intenção era entregar o relatório em junho passado, mas ficou para o dia 7 de outubro. Novamente, a apresentação foi adiada, desta vez por dois motivos: a decisão judicial para que a mineradora Vale declarasse situação de emergência em duas barragens de Parauapebas – Pondes de Rejeitos e Captação de Água – e o pedido de mais tempo por alguns parlamentares, que desejavam colaborar com novas informações.

Deputada Marinor Brito

“O Ministério Público e o Judiciário trouxeram nova contribuição para apensar ao nosso relatório, mostrando a gravidade que estamos vivendo na mineração do Pará”, disse Marinor à época, referindo-se à decisão judicial. As duas barragens não foram vistoriadas pela comissão externa, justificou a parlamentar, devido às limitações da estrutura técnica do grupo, que apesar de ser formado por sete deputados teve maior envolvimento da própria Marinor Brito e das deputadas Nilse Pinheiro (PRB) e Heloísa Guimarães (DEM).

O Blog do Zé Dudu tentou contato hoje com Marinor Brito, mas ela estaria praticamente recolhida para a elaboração do relatório final ao lado dos assessores.

Em sete meses de trabalho, a comissão visitou as barragens em Barcarena, da Hydro-Alunorte, e em Oriximiná, da Mineração Rio do Norte (MRN). Os deputados também percorreram as barragens do Gelado e Geladinho, em Parauapebas; do Sossego, em Canaã dos Carajás; e o projeto Salobo, em Marabá. A última vistoria foi em junho às dependências da Mineração Paragominas.

Em campo, os deputados observaram demandas, coletaram reclamações nas audiências públicas realizadas nas cidades visitadas, com a presença de representantes de prefeituras, de membros da sociedade civil e moradores dos entornos dos empreendimentos minerários.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Publicidade

Relacionados