Gasto médio do Pará com saúde da população foi de R$ 258 em 8 meses

Governo do Estado investiu R$ 2,241 bilhões, 11º maior desembolso do país, porém aplicação média por habitante continua baixa. Unidades da Federação mais novas lideram investimentos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

No difícil ano da pandemia do coronavírus, as 27 Unidades da Federação do país desembolsaram cerca de R$ 70,5 bilhões na saúde pública da população, no período entre janeiro e agosto deste ano. E o Pará, que até 2019 era um dos três que menos investiam no setor, saiu da lanterna e agora aplica R$ 257,87 por habitante. As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que analisou a prestação de contas dos estados e do Distrito Federal e apurou quanto cada um deles aplicou em um dos serviços mais essenciais à vida.

O Governo do Pará tirou da carteira R$ 2,241 bilhões para custear a saúde dos paraenses. É o 11º maior volume de recursos do ranking, atrás apenas das despesas liquidadas pelos estados de São Paulo (R$ 17,721 bilhões), Minas Gerais (R$ 5,179 bilhões), Bahia (R$ 4,981 bilhões), Rio Grande do Sul (R$ 4,184 bilhões), Pernambuco (R$ 4,112 bilhões), Paraná (R$ 3,178 bilhões), Rio de Janeiro (R$ 3,067 bilhões), Goiás (R$ 2,814 bilhões), Ceará (R$ 2,556 bilhões) e Santa Catarina (R$ 2,476 bilhões).

Mas quando os gastos são pulverizados pela quantidade de habitantes do Pará, que atualmente são 8,69 milhões de residentes, a cenário é inverso: o estado é o 6º que menos gasta no país com a saúde de sua gente. Os R$ 257,87 médios aplicados por morador só não foram inferiores que os desembolsos do Rio Grande do Norte (R$ 247,93), Minas Gerais (R$ 243,24), Paraíba (R$ 232,32), Maranhão (R$ 217,69) e Rio de Janeiro (R$ 176,59).

No outro extremo, estão estados que investem até o triplo do Pará, mas são confortavelmente favorecidos por recursos graúdos da União. É o caso do Acre (R$ 739,97), Tocantins (R$ 721,96), Distrito Federal (R$ 702,47), Roraima (R$ 609,74) e Amapá (R$ 608,51). Em comum eles têm o fato de serem as mais novas Unidades da Federação do Brasil.

Confira o desembolso com saúde completo dos estados para o período de oito meses (entre janeiro e agosto deste ano) e a média per capita de cada um deles.