Parauapebas abre licitação para implantar sistema de cadastro multifinalitário

Procedimento tem custo estimado em quase R$ 17 milhões e prevê detalhamento completo de todo o território municipal para que, no futuro, seja possível elaborar políticas públicas certeiras
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma medida pensada pelo governo Darci Lermen vai possibilitar o conhecimento territorial, pelo menos no sistema e de forma técnica, de todo o município de Parauapebas. Na última segunda-feira (27), a capital do minério botou na rua edital de licitação para contratar, por até R$ 16,92 milhões, serviços de engenharia, de atualização de cadastro imobiliário fiscal e de implantação de sistema de cadastro técnico multifinalitário a fim de obter dados suficientes para compartilhamento inteligente entre os órgãos da administração municipal e utilização em políticas públicas. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser checadas aqui.

O processo inteiro, comandado pela Secretaria Municipal de Planejamento (Seplan), está dividido em 22 itens, com valores variáveis. Um desses itens, por exemplo, é a atualização do cadastro de logradouros de Parauapebas, que terá custo estimado em R$ 496 mil. Já o cadastramento imobiliário acompanhado de imagens panorâmicas de todos os logradouros é orçado em R$ 1,752 milhão. Há, ainda, outros R$ 1,026 milhão para a geocodificação da base de dados dos cadastros que forem realizados.

Mas a peça mais cara do pacote é a atualização do cadastro imobiliário, que tem previsão de consumir R$ 7,766 milhões. Enquanto isso, a parte mais barata da licitação, referente ao treinamento e à capacitação para utilização do sistema de informações geográficas, vai sair por pouco menos de R$ 27 mil. Ganhará a concorrência para executar os serviços previstos a empresa que conseguir apresentar o melhor combo de técnica e preço.

Tecnologia a serviço do desenvolvimento

De acordo com a Prefeitura de Parauapebas, a ideia é criar um ambiente integrado de geoprocessamento, composto por repositório de dados que unem as principais bases literais e territoriais do município e um portal web para acesso a informações e mapeamento, para todas as secretarias e autarquias, bem como para a sociedade, objetivando a disseminação do máximo de informações possíveis aos contribuintes e aos servidores municipais.

O governo local entende que o procedimento propiciará à administração pública obter as ferramentas básicas para conhecer o território detalhadamente e elaborar estratégias de planejamento que possibilitem o desenvolvimento socioeconômico, resgatando a dívida social histórica com a população de Parauapebas. “As ferramentas para auxiliar o planejamento são instrumentos eficazes para o município lidar de forma adequada com desequilíbrios associados ao seu progresso, bem como para orientar seu desenvolvimento futuro de forma sustentável”, justifica a Seplan.