Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Dom Eliseu

Vice-prefeito de Dom Eliseu preso por associação criminosa contra o prefeito

Pastor Elias, Marco Antônio Siviero, irmão do prefeito, e mais três pessoas queriam tomar o poder de qualquer maneira para continuar cometendo crimes ambientais
Continua depois da publicidade

Dois escândalos abalaram ontem, terça-feira (17), o município de Dom Eliseu, localizado no nordeste do Estado e cortado pelas rodovias BR-010 e BR-222. Logo cedo, acusado de crimes ambientais por 15 anos seguidos, o empresário Marco Antônio Siviero, irmão do prefeito Ayeso Gaston Siviero, fugiu assim que soube que contra ele havia um Mandado de Prisão Temporária. Os outros dois acusados, Júlio do Nascimento Tavares e Edson Luiz Zampiva, também escaparam de ser presos.

Em outra ponta do mesmo esquema, o Ministério Público Estadual, na pessoa do promotor Maurim Lameira Virgolino, decretou a prisão preventiva do vice-prefeito Elias Martins da Silva (Pastor Elias) e também de Marco Antônio Siviero, Júlio Tavares e Fabrício Souza, acusados de associação criminosa armada para tomar o poder público de Dom Eliseu.

Crimes ambientais

Em entrevista a um canal de TV de Dom Eliseu, Virgolino conta que, após rigorosas investigações, a Dema descobriu e conseguiu provar que Marco Antônio Sivieiro, Júlio Tavares e Edson Zampiva formularam esquema para “esquentar” madeira ilegal, o qual consistia em abrir diversas empresas, inclusive, em nomes de laranjas. “E, assim, com muitas empresas abertas, apenas de fachada, só existiam no papel, eles conseguiam emitir documentos fraudulentos para esquentar madeira. Esse esquema já vem, há mais de 15 anos, sendo liderado por Marco Antônio”, afirma o promotor.

“O delegado representou pela prisão temporária, teve parecer favorável deste promotor e, pela manhã, foi dado cumprimento. Eles estão foragidos, mas o mandado foi colocado no sistema nacional e qualquer policial poderá cumpri-lo”, reforça Maurim Virgolino.

Esquema para se apossar da Semma

O vice-prefeito Elias Martins da Silva, junto com o Marco Antônio Siviero, Júlio Tavares e Fabrício Souza Silva foram denunciados pelo Ministério Púbico em Dom Eliseu, por terem montado uma associação criminosa armada com o objetivo de tomar o poder político no município, por meio de corrupção, principalmente oferecendo dinheiro e vantagens para que os vereadores acatassem denúncias de infração político administrativa. Elias é o único preso, os demais fugiram ante a notícia da chegada da polícia.

O promotor conta que, há diversas gravações em que os interlocutores mantém conversas sobre o esquema. Em uma delas, o vice-prefeito e Júlio Tavares conversam com o contador da prefeitura na casa dele, em Belém, pedindo que repasse alguma informação que possa comprometer o prefeito Aeyso Siviero, pois estavam colhendo uma série de denúncias que seriam feitas ao Ministério Público Estadual e ao Ministério Público Federal e para que a batata chegasse “bem quente nas mãos dos vereadores” e estes afastassem o prefeito.

“Eles disseram que, se o contador ajudasse, quando o grupo do vice tomasse conta da prefeitura, eles iriam ‘dividir o ouro’ com ele”, reafirma o promotor, contando que, em diversas gravações, Júlio Tavares diz que se encarregaria de comprar os vereadores que votassem pelo recebimento das denúncias e infrações político administrativas contra o prefeito.

“A vereadora Claudia Magaveski e o vereador Alecio Santos Carvalho estiveram na promotoria afirmaram que foram procurados e receberam de Júlio a proposta de R$ 20 mil e carros, para que votassem pelo recebimento das denúncias na Câmara”, afirma Maurim Virgolino.

Ele acrescenta que, segundo essas mesmas gravações, todo o dinheiro seria providenciado pelo Marco Antônio Siviero. Para o promotor, o empresário, que já tem o histórico de crimes contra o meio ambiente há 15 anos, desejava a todo custo tomar a prefeitura por meio do vice-prefeito Elias Martins, porque queria ter a Secretaria Municipal de Meio Ambiente em seu poder.

“Marco Antônio, de fato exerceria o poder. Porque, além dessa investigação, aqui na Semma há 18 infrações praticadas por ele ou no nome de filhos dele, sobre atividades na fazenda sem licenciamento ambiental”, informa o promotor de Dom Eliseu.

São multas e embargos impostos pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente, as quais, segundo o promotor, geraram ameaças, da parte de Marco Antônio Siviero, contra a família de um fiscal e do secretário da pasta.

O Blog tentou contato com o prefeito de Dom Eliseu, mas em vão, uma vez que os números da prefeitura não atendem e o gestor municipal não foi localizado.

Seja o primeiro a escrever um comentário

  1. Tudo mal contado em Dom eliseu o promotor prende o vice e o prefeito com meio mundo de acusações sobre sua pessoa esta livre, e so investigar direito

Deixe uma resposta