Ourilândia do Norte: PF deslancha Operação “1200” de combate a crimes ambientais e trabalho escravo

A operação foi deslanchada na manhã desta quarta-feira (28). Até o momento foram fechados seis garimpos de ouro clandestinos e duas pessoas foram presas em flagrante delito
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Áreas usadas para exploração ilegal de garimpos em Ourilândia do Norte

Continua depois da publicidade

A Polícia Federal (PF) deslanchou, na manhã desta quarta-feira (28), a Operação “1200”, que tem por objetivo combater crimes ambientais, extração ilegal de minérios e trabalho escravo na zona rural do município de Ourilândia do Norte, no sudeste do Pará. Estão sendo cumpridos 26 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal de Redenção, no sul do estado.

A ação conta com a participação de mais de 100 policiais federais, um helicóptero esquilo, dois procuradores do Ministério Público do Trabalho e um procurador da República. Segundo a PF, até o momento foram fechados seis garimpos de ouro clandestinos e duas pessoas foram presas em flagrante delito.

Também foram apreendidos, até agora, nove escavadeiras hidráulicas, motores de sucção, diversos apetrechos de garimpo, mercúrio, uma pequena quantidade de ouro, armas, munições e documentos contendo dados sobre a contabilidade das atividades. Diversos trabalhadores foram encontrados em condição degradante de trabalho.

De acordo com a Polícia Federal, foi constatado que, desde o início do ano de 2019, a área da Fazenda 1200 e áreas da União em seu entorno estão sendo exploradas ilegalmente por garimpeiros. A atividade representa risco à saúde dos trabalhadores pelo uso indiscriminado de mercúrio, causa desmatamento, polui leitos de rios e causa danos irreparáveis à fauna e à flora do local atingido.

Ainda segundo a PF, além do impacto ambiental, o município de Ourilândia do Norte teve o sistema de abastecimento de água comprometido em razão da poluição do Rio Águas Claras. O projeto de captação de águas é uma parceria firmada entre a Funasa e o município, no valor aproximado de R$ 24 milhões e se encontra paralisado.

A PF informa que o dano ambiental será quantificado posteriormente. A operação continua ao longo do dia.

A Polícia Federal adianta que, caso confirmadas as hipóteses criminais sob apuração, os investigados poderão responder pelos delitos previstos no art. 2º, caput, da Lei nº 8.176/91, art. 55 e 56 da Lei nº 9.605/98, art. 149 do CPB e art. 12 da Lei n. 10.826/03.

Tina DeBord- com informações da PF

Fotos: PF