Vale vai pedir aval a Conselho de Administração para expandir S11D

Mineradora projeta start-up da capacidade ampliada para 2024 e já está no radar mexer até no bloco C do corpo S11 em 2027, o que “requer solução logística”. Canaã vai viver novo “boom”.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Canaã dos Carajás deve, mais uma vez, entrar na vitrine de grandes negócios e investimentos privados do país nesta próxima década. Na última teleconferência ao mercado na semana passada, o presidente-executivo Eduardo Bartolomeo declarou que a mineradora multinacional Vale vai submeter ao Conselho de Administração da empresa um plano de expansão da capacidade de produção nominal de minério de ferro do Sistema Norte, do qual fazem parte, além de Canaã, os municípios de Parauapebas e Curionópolis.

O Blog do Zé Dudu examinou diversos documentos publicados pela mineradora nos últimos dias, no frenesi dos anúncios de produção física e balanço financeiro do segundo trimestre, e observou que essa expansão tem foco no corpo S11, o mais abundante da mineradora e encontrado dentro dos limites de Canaã dos Carajás. O plano contempla, também, as 10 milhões de toneladas por ano (Mtpa) que serão adicionadas à atual capacidade de produção das minas de Parauapebas, elevando o potencial deste município de 140 Mtpa para 150 Mtpa, conforme anunciado em primeira mão pelo Blog (relembre aqui).

Porém, é Canaã quem deve receber maior atenção e volume mais robusto de recursos. Atualmente, S11D pode entregar no máximo 90 Mtpa — a Vale calcula que a produção deste ano feche em 85 Mtpa, próximo à capacidade nominal. No ano passado, em apresentação a mercado, a Vale expressou publicamente desejo de elevar esse potencial para 150 Mtpa e ainda revelou que poderia construir ferrovia e porto no Pará para atender possível expansão da capacidade.

Detalhes do plano

Agora, animada com a autorização pelo Tribunal de Contas da União (TCU) da renovação antecipada dos contratos de concessão da Estrada de Ferro Carajás (EFC), a empresa corre para programar mais um megainvestimento — que poderá ser o maior da década no Brasil na área da mineração — com a expansão da mina de Canaã. Os executivos da empresa, contudo, alertam que os investidores não devem esperar da Vale novos investimentos gigantescos, como aqueles realizados para a construção do S11D.

O Blog identificou que a movimentação no complexo de Carajás terá como frentes a abertura de novas minas em Parauapebas (além da expansão de 10 Mtpa já aprovada pelo Conselho, haverá a abertura de N1, N2 e N3 devido à exaustão dos atuais corpos em lavra) e um rascunho de expansão para 120 Mtpa de S11D com start-up previsto para 2024, o que a Vale chama de “projeto pendente de aprovação”. Além de tentar recauchutar o visual de S11D, o Blog descobriu que a Vale já anseia tocar no bloco C do corpo S11. E já tem data estimada para começar a tirar minério de ferro de lá: 2027. Mas é um projeto que também está “pendente de aprovação” pelo Conselho e que exige engenharia financeira maior porque “requer solução logística”.

Hoje, S11D é o empreendimento mais rentável da mineradora Vale e, na semana passada, em apenas um dia, chegou ao recorde de 370 mil toneladas de minério de ferro produzidas. Se e quando for alvo de nova investida da multinacional, o município de Canaã dos Carajás poderá viver novo “boom”, consagrando-se como único município brasileiro a viver explosões econômicas por três décadas seguidas — a primeira nos anos 2000, com implantação da mina de cobre Sossego; a segunda na década de 2010, com a implantação da mina de ferro S11D; e a terceira na década de 2020, com a expansão de S11D e eventual abertura de S11C.

Publicidade