TRE-PA manda blogueiros e Facebook retirarem pesquisa eleitoral não registrada

Pedido foi feito pela coligação de Helder Barbalho porque não houve registro no Tribunal Superior Eleitoral
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

A juíza federal Lucyana Said Daibes Pereira, do Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA) acatou uma representação com pedido de liminar, proposta pelo Partido MDB contra a Doxa Arte & Comunicação, por suposta pesquisa eleitoral realizada e não registrada devidamente no TSE, e ainda contra divulgadores da mesma, a saber Pedro Henrique Brasil Xavier da Silva, Luiz Feitosa, Silvio Carlos Bahia Santos e Roma News.

A denúncia dava conta que a Doxa Comunicação teria realizado pesquisa eleitoral sem registro, tendo sido divulgada em 13 de agosto de 2018 via aplicativo Whatsapp, bem como publicada no site e nas redes sociais da empresa de mídia digital ROMA NEWS.

Do mesmo modo, Silvio Carlos Bahia Santos teria publicado o mesmo texto em sua página pessoal da rede social Facebook, divulgando dados com números inexistentes e sem possibilidade de averiguação da veracidade por parte dos cidadãos e atores políticos interessados, inclusive com menção a supostos percentuais de intenção de votos nas fotos dos candidatos Helder Barbalho e Márcio Miranda.

A denúncia do MDB mostrava ainda que os dados informados em ambas publicações foram retirados de Pesquisa Eleitoral compartilhada nas mídias sociais, sem registro no TSE, o que seria contrário aos princípios e a lei 9.504/97, tendo em vista que a única pesquisa registrada no sistema “PesqEle Público – TSE” no período de agosto de 2018 pela empresa DOXA, é a de número 032108/2018, a qual ainda não tinha sido divulgada até a decisão judicial.

A magistrada, ao acatar o pedido em liminar, lembrou que as entidades e as empresas que realizam pesquisas de opinião pública relativas às Eleições 2018 devem registrar cada pesquisa no Tribunal Regional Eleitoral do Pará, em até 5 dias antes da divulgação de cada resultado. Esta é uma exigência estabelecida pelo art. 33 da Lei nº 9.504/1997 e detalhada na Resolução TSE nº 23.549/2017.

“Verifica-se na matéria supra a divulgação de dados de intenção de votos em percentuais, afirmando tratar-se de pesquisa eleitoral realizada pelo Instituto Doxa, ora 1º representado, e ainda destacando a ausência de registro no Tribunal Regional Eleitoral do Pará. Portanto, a priori, vislumbra-se divulgação de pesquisa eleitoral de forma irregular, tendo em vista a ausência dos requisitos exigidos pela Resolução TSE 23.549 e Lei 9.504/97”, reconheceu a juíza.

Na postagem de Silvio Santos no Facebook, a Justiça Eleitoral entendeu que apesar de não mencionar tratar-se de pesquisa eleitoral, vê-se na postagem, especificamente da foto, divulgação de intenção de votos por meio de números e percentuais, sem sequer informar a fonte dos dados, divergindo assim do disposto na legislação eleitoral para divulgação de pesquisa eleitoral.

Para a magistrada, a suposta pesquisa da Doxa, que baseou as notícias veiculadas na internet pelos representados Silvio Bahia e Roma News, por meio de URL’s, aparentemente não demonstra ser a mesma registrada no dia 12/08/2018 pelo Sistema PesqEle do TSE, sob o número PA-03208/2018. Ainda que fosse a mesma pesquisa, não poderia ter sido divulgada pelos representados, pois descumpriu o prazo mínimo de cinco dias contados do registro da pesquisa na Justiça Eleitoral.

Por conta disso, a juíza Lucyana Said Daibes deferiu o pedido de medida liminar para determinar a Silvio Bahia e Roma News a retirada da postagem no prazo máximo de 24 horas, sob pena de pagar multa de R$ 3.000,00 por dia.

O mesmo ocorreu em relação ao Facebook Serviços Online do Brasil para que, no prazo máximo de 24 horas, a contar da notificação, retire especificamente a imagem de pesquisa irregular divulgada na postagem do facebook na URL “https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2224159221148774&set=a.2056694214561943&type=3&theater”, também sob pena de multa por descumprimento da ordem, no valor de R$ 3.000,00 ao dia.

Não houve nenhuma sanção judicial contra a Doxa Comunicação porque não ficou caracterizado que a empresa tenha divulgado a referida pesquisa.

Procurado pela Reportagem do blog, Dorneles Silva, cientista político da Doxa, confirmou que a pesquisa foi realizada, mas para consumo interno do PV (Partido Verde), a pedido de Jarbas Vasconcelos, o que é normal em qualquer processo eleitoral para tomada de decisões políticas ou econômicas. “Entregamos o resultado para o cliente e, a partir daí, não temos mais nenhuma responsabilidade. O que aconteceu é que vazou e outros canais, iniciando por redes sociais, pegaram as informações e começaram a fazer divulgação de números, o que não é permitido pela legislação eleitoral. Pode-se até fazer comentário sobre a pesquisa, mas não citar números”, explicou Dorneles.

Ulisses Pompeu – de Marabá

Publicidade

Relacionados