RG Unificado chegará em breve a Parauapebas

O novo documento de identificação, já emitido em oito Estados, reúne informações de outros 12 usados no dia a dia pelo brasileiro, como CPF, CNH, Carteira de Trabalho etc.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O novo RG já, emitido no Distrito Federal e em oito Estados – Goiás, Mato Grosso, Acre, Maranhão, Ceará, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul. O governo brasileiro deve implementar o documento atualizado em todo o País até 2020, conforme decreto presidencial 9.278, de 2018. O texto legal oferece uma opção de RG em formato de cartão com chip para leitura por aproximação e durabilidade estimada de até 10 anos.

Em Parauapebas, o documento é emitido no SAC – Serviço de Atendimento ao Cidadão, órgão vinculado ao governo municipal, por meio da Semsi – Secretaria Municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão. O RG (Registro Geral), mais conhecido como Carteira de Identidade, está prestes a sair de circulação.

Dará lugar ao RG Unificado, que eliminará as outras formas de identificação, permitindo incluir dados de até 12 outros documentos: CPF, Tipo Sanguíneo, Registro Civil, Título de Eleitor, Carteira de Trabalho – que também passará a ser digital -, NIS, Pis/Pasep, Registro Profissional, Certificado Militar, Carteira Nacional de Habilitação (CHN), Cadastro Nacional de Saúde  e Nome Social.

O RG Unificado apresentará um QR Code (código de leitura rápida, em inglês) para garantir sua autenticidade. Outros elementos de segurança também foram adicionados ao modelo, como detalhes em relevo tátil ou reativos à luz ultravioleta.

De acordo com Denis Assunção, coordenador do SAC, tão logo acabe o estoque das atuais cédulas, passarão a ser impressos os novos RGs, cujo prazo previsto é o início de 2020. “A carteira de identidade na versão antiga continua valendo. Por isso, a emissão do novo modelo é direcionada às solicitações de uma segunda via ou para os cidadãos que estão tirando o documento pela primeira vez. Os órgãos de identificação de cada Estado definem os custos e procedimentos da emissão”, explica Denis.

Publicidade