Prefeituras paraenses acumularam quase R$ 15 bilhões; veja lista das mais ricas

Canaã e Altamira causaram vuco-vuco na lista das dez mais poderosas. A primeira atropelou Castanhal e Barcarena; a segunda empurrou para trás Paragominas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Até este domingo (9), 99 municípios do Pará, por meio de prefeitura e ou câmara, declararam a receita corrente líquida ao Tesouro Nacional, como parte da prestação de contas da execução orçamentária e ou da gestão fiscal. O Blog do Zé Dudu bateu cabeça para montar o panorama da arrecadação livre de deduções de todas as prefeituras, cruzando diversas informações oficiais prestadas por prefeitos e presidentes de câmaras.

A conclusão é de que exatos R$ 14.815.708.632,52 passaram pelas contas desses governos municipais num período de 12 meses (entre maio de 2018 e abril de 2019). Vale lembrar, todavia, que o valor final é ainda maior porque prefeituras que se posicionam entre as mais ricas do estado — como Abaetetuba, Cametá, Breves e São Félix do Xingu, entre outras — ainda não prestaram informações ao Tesouro.

O Blog estima que a receita líquida que já circulou pelas mãos dos prefeitos de um ano para cá totalize R$ 17 bilhões. Infelizmente, como muitos gestores públicos são omissos e até estão considerados inadimplentes pelos órgãos fiscalizadores, não foi possível efetuar o levantamento consolidado, já que 45 não deram satisfação da receita arrecadada.

Fila da riqueza e da prosperidade

Houve pouca mudança no ranking das dez prefeituras mais ricas. Belém (R$ 2,722 bilhões), Parauapebas (R$ 1,257 bilhão), Marabá (R$ 814,98 milhões), Ananindeua (R$ 643,89 milhões) e Santarém (R$ 631,66 milhões) seguem com os governos mais abastecidos. Santarém deve ultrapassar Ananindeua em breve, tendo em vista que a receita líquida da “Pérola do Tapajós” nos quatro primeiros meses deste ano foi maior que a do município da região metropolitana.

A partir da sexta posição, o enredo fica emocionante. Canaã dos Carajás (R$ 416,22 milhões), cuja prefeitura era um “zé ninguém” cinco anos atrás, encerrou 2018 na 8ª posição entre os locais de administrações mais ricas. Não se deu por satisfeito e empurrou a prefeitura para o 6º lugar no primeiro quadrimestre deste ano, atropelando Castanhal (R$ 398,88 milhões) e Barcarena (R$ 371,91 milhões). A Prefeitura de Canaã é sustentada pela Vale, que paga direta ou indiretamente R$ 7 de cada R$ 10 que ingressam no município.

Quem também ingressou no grupo dos dez foi Altamira (R$ 295,68 milhões), atrás de Tucuruí (R$ 305,42 milhões), que ocupa a 9ª colocação. Empurrado pelos royalties hídricos gerados pela Usina Hidrelétrica de Belo Monte, Altamira viu sua prefeitura derrotar a poderosa Paragominas (R$ 292,54 milhões), que caiu para a 11ª colocação. Altamira é uma ameaçada à igualmente elétrica Prefeitura de Tucuruí, de quem certamente tomará o bastão de 9º governo mais rico nos próximos meses, a cada pulso das turbinas.

Confira o ranking preliminar preparado pelo Blog do Zé Dudu para manter você bem informado sobre as contas públicas de seu município. Ah: se a sua prefeitura não estiver na lista, é porque o prefeito de seu município ainda não entregou a prestação de contas como manda o figurino!

Publicidade