Polícias Civil e Militar prendem família de traficantes em Parauapebas

Mãe, marido e três filhos traficavam crack no Bairro Primavera, mas foram denunciados por vizinhos e passaram a ser monitorados pela polícia
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Operação conjunta envolvendo a Polícia Civil e a Polícia Militar resultou, na tarde de ontem, sábado (16), na prisão de uma família inteira de traficantes, na Rua Carlos Fonseca, Bairro Primavera, em Parauapebas. Foram presos: Rosivaldo Sousa Ribeiro, o “Bozo”, Maria da Paz da Conceição, mãe dele, conhecida como “Vovó do Tráfico”, o marido dela, João da Conceição de Jesus, e mais dois filhos, Vones e Nelson Sousa e Sousa. Na casa foram encontradas pedras de crack.

De acordo com o policial civil Abraão Teixeira, havia alguns dias que a casa em que ocorreu o flagrante estava sendo monitorada, a partir de informações de terceiros Ontem, por volta das 16h, foi dada a ordem para a operação e as denúncias foram confirmadas.

No momento em que foi preso, “Bozo”, que é reincidente no crime, admitiu que a droga pertencia a ele e aos demais e não resistiu à prisão. Já, Maria da Paz negou, mas, diante das evidências, não teve como se defender da acusação, assim como os outros três presos.

Sobre o crime de tráfico de entorpecentes, Abraão afirma que muitas pessoas enveredam por esse caminho porque não querem trabalhar honestamente e visam o lucro alto que a droga proporciona, mas acabam colocando a vida em risco devido à guerra constante entre traficantes por pontos de venda e territórios.

A respeito da batalha entre integrantes das facções PCC (Primeiro Comando da Capital) e CV (Comando Vermelho), o policial afirma que, não só em relação a esses grupos, mas ao tráfico em geral, a investigações por parte da Polícia Civil e as ações ostensivas da Polícia Militar se intensificam mais a cada dia, com o objetivo de tirar mais e mais traficantes das ruas.

“Nem PCC nem CV vão se criar aqui na cidade. Todos serão encaminhados devidamente para a, cadeia, onde é lugar de bandido”, afirma Abraão Teixeira, lembrando que o cidadão de bem também pode colaborar muito no combate a esse e outros tipos de crime. Basta, ao notar movimentação suspeita ou perceber que está ocorrendo uma situação de flagrante, ligar para o Centro de Controle Operacional (CCO), que funciona 24 horas, no número 99264-5348, ou para o Disque Denúncia da Polícia Civil, 181.