Tucuruí

Pedindo justiça, manifestantes interditam BR-422, em Tucuruí, durante toda a manhã.

Manifestantes fecharam na manhã desta quarta-feira (20) a BR-422,  que liga o município de Novo Repartimento a Limoeiro do Ajuru – e corta o município de Tucuruí  -, para cobrar da justiça uma resolução quanto à investigação do assassinato do ex-prefeito de Tucuruí Jones William, morto em um atentado em 2017. Com faixas pedindo justiça, eles fecharam a rodovia na altura da localidade conhecida como “Sítio Deus é Grande” desde às 10 horas. A manifestação acontece após a confirmação de que o processo criminal que investiga a morte de JW teria sido entregue na justiça em Tucuruí.

Os manifestantes participam do grupo “Justiça e Paz”, que cobra, há mais de um ano, a prisão dos envolvidos no assassinato do então prefeito de Tucuruí. Eles usaram galhos de árvores e atearam fogo em pneus para interditar a pista, causando um grande congestionamento nas proximidades da localidade “Sítio Deus é Grande”.

Com cartazes e gritos de ordem, os manifestantes querem a conclusão do processo judicial e a prisão dos envolvidos no crime, dentre eles Josineide Silva Brito, mãe do atual prefeito de Tucuruí, Artur Brito, apontada como mandante do crime.

Segundo um dos organizadores, a manifestação deverá se encerrar nas próximas horas, mas novos atos estão previstos para os próximos dias. A rodovia está sendo liberada a cada 20 minutos em ambos os sentidos. A BR-422 é a principal rota de entrada e saída do município de Tucuruí.

Nova denúncia

O vereador Lucas Brito, irmão do prefeito Artur Brito, soltou o verbo durante sessão da Câmara Municipal de Tucuruí realizada na terça-feira. Ele disse que nos próximos dias vai protocolar no Ministério Público e no Fórum de Tucuruí, e distribuir para a sociedade, uma carta-denúncia contendo informações que apontam a viúva de Jones William e um grande empresário, citado por ele como “Guloso”, como os verdadeiros responsáveis pelo assassinato do ex-prefeito. Brito disse que a motivação seria descoberta (por Jones William) de um golpe contra os cofres da prefeitura que teria sido arquitetado pela dupla Viúva/Guloso.

O vereador afirma que a viúva de Jones, Graciele Galvão, foi pessoalmente ao Banpará sacar um cheque milionário para o esquema de fraudes. Durante seu pronunciamento, o vereador exigiu que a Polícia investigue essas denúncias urgentemente. “Investiguem todos! Investigaram a minha família por seis meses, agora que investiguem também os outros”, finalizou Brito.

Nova interdição

Manifestantes ligados ao prefeito Artur Brito também fecharam a BR-422 na manhã desta quarta-feira, 20, próximo ao Corpo de Bombeiros de Tucuruí. A interdição teve início por volta das 11 horas. Lideranças do movimento usaram um carro de som para expor suas indignações. Segundo eles, a justiça precisa investigar também pessoas próximas e familiares do prefeito Jones William. Os manifestantes afirmam que outras medidas deverão ser tomadas nos próximos dias, dentre elas uma caminhada pedindo paz.

Por volta das 12 horas os manifestantes liberaram completamente a BR-222, mas prometeram novas movimentações para os próximos dias.

Nota da Assessoria da PMT

Em nota encaminhada ao Blog, a Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Tucuruí afirmou que:

As imagens da manifestação mostram, por si só, que o protesto é feito por um grupo pequeno de pessoas. O fechamento da BR foi feito para dar visibilidade maior ao protesto e tentar, com isso, atingir a imagem do prefeito.

O maior interessado na elucidação da morte do ex-prefeito Jones William e na prisão dos responsáveis por essa violência é o próprio prefeito Artur Brito, que perdeu um amigo e foi acusado injustamente, como será provado na Justiça.

O protesto é feito um dia depois de serem reveladas novas informações sobre a investigação, pelo vereador Lucas Brito, na reabertura dos trabalhos da Câmara. Parecem mais uma tentativa de desviar a atenção dessas denúncias do que um pedido de apuração.

O prefeito Artur Brito corrobora os questionamentos feitos pelo irmão, que pediu ao Ministério Público e à Polícia que investiguem também os fatos agora revelados, que envolvem a viúva do prefeito assassinado, Graciele Galvão, e o empresário Alexandre Siqueira.

Segundo as novas denúncias, a viúva sacou indevidamente no Banpará, banco onde trabalho, cheque nominal à empresa de Alexandre. Ambos, segundo o vereador Lucas, estariam associados a uma “quadrilha instalada na prefeitura em janeiro de 2017”.

Para o prefeito Artur Brito, que nesta terça (19) encaminhou mensagem à Câmara pedindo a união de todos pelo bem de Tucuruí e o fim desse clima de guerra para que o município possa progredir em paz, todos devem ser investigados.

Deixe seu comentário