Parauapebas rompe marca de 50 mil vínculos empregatícios, revela Rais

Aumento do estoque de empregos formais disparou 20% de um ano para outro, fazendo com que número de trabalhadores em atividade na capital do minério ultrapassasse o de Marabá
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Pela primeira vez, o município de Parauapebas ultrapassou a marca de 50 mil vínculos formais de trabalho registrados pela Relação Anual de Informações Sociais (Rais) – cadastro administrativo gerido pelo Ministério da Economia. A marca foi alcançada no último dia do ano passado e os dados consolidados foram divulgados agora pelo ministério. As informações são exclusivas do Blog do Zé Dudu, que analisou os números detalhados da Rais 2019.

Em cifras exatas, a capital do minério fechou 2019 com 52.372 pessoas formalmente empregadas no setor público e na iniciativa privada, o 128º maior estoque de empregos do país. Parauapebas superou Marabá (50.372 vínculos, 133º) e Santarém (40.398, 166º), só perdendo para Belém (402.561, 13º) e Ananindeua (68.128, 98º). Cabe esclarecer que, diferentemente do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que só computa empregos com carteira assinada, a Rais leva em conta, além dos vínculos celetistas, os empregos criados no setor público, geralmente regidos por estatuto e regime jurídico próprio.

Parauapebas apresentou no ano de 2019, em números absolutos, o 17º maior crescimento nacional em geração de empregos, com adição de 8.670 novos postos de trabalho em relação a 2018 – um crescimento de 19,84%, de acordo com o Ministério do Trabalho. Marabá, segundo colocado no estado, mas na 54ª posição nacional, aumentou seu estoque em 3.565 empregos novos, avançando 7,62%. No extremo oposto, a capital paraense teve a 8ª maior perda de vínculos empregatícios no Brasil, reduzindo em 6.716 seus trabalhadores, baixa de 1,64% de 2018 para 2019.

O Blog do Zé Dudu também investigou a média salarial paga em Parauapebas e constatou que o município oferta, hoje, uma das remunerações mais altas do Pará, na média de R$ 3.158,20. Se for levada em consideração apenas a média dos servidores públicos municipais, o valor salta para R$ 5.086,30. Só a nata do serviço público em Belém ganha remuneração média superior.

Média salarial em Parauapebas e outras praças financeiras no Pará:

No Pará

  • Belém: R$ 3.800,87
  • Canaã dos Carajás: R$ 3.621,77
  • Oriximiná: R$ 3.251,33
  • Parauapebas: R$ 3.158,20
  • Juruti: R$ 2.937,95
  • Barcarena: R$ 2.873,80
  • Marabá: R$ 2.805,90
  • Itaituba: R$ 2.494,64
  • Altamira: R$ 2.493,15
  • Paragominas: R$ 2.442,09
  • Santarém: R$ 2.388,95
  • Tucuruí: R$ 2.137,68
  • Redenção: R$ 2.062,90
  • Castanhal: R$ 1.868,41
  • Vitória do Xingu: R$ 2.757,01

No Brasil

  • Araguaína (TO): R$ 2.201,54
  • Palmas (TO): R$ 4.402,08
  • Imperatriz (MA): R$ 2.117,23
  • São Luís (MA): R$ 3.388,52
  • Goiânia (GO): R$ 3.595,68
  • Manaus (AM): R$ 3.427,20
  • São Paulo (SP): R$ 4.279,05
  • Rio de Janeiro (RJ): R$ 4.310,23