Redenção: MPE representa contra 83 candidatos por derrame de “santinho”; valor da multa é de mais de R$ 4 milhões

Mesmo sendo crime eleitoral, a prática é comum por muitos candidatos, que burlam a legislação e inundam as ruas em véspera de votação com “santinhos”, na tentativa de ganhar eleitores indecisos. Agora, o MPE decidiu recolher esse material e representar contra os candidatos
Mesmo sendo crime, as ruas foram inundadas de “santinhos” no dia as votação

Continua depois da publicidade

Candidato que derramou “santinho” na calada da madrugada, pensando que não ia ser flagrado, deu um tiro no pé. É que o Ministério Público Eleitoral (MPE) coletou esse material de propaganda e está representando contra os candidatos.

Nesta terça-feira, o MPE, por meio da Promotoria Justiça de Redenção, no sul do Pará, ajuizou representação contra 83 candidatos aos cargos de vereador e prefeito do município pela prática ilegal de ”derramamento” de “santinhos” nos locais de votação. Na representação, o promotor de justiça Luiz da Silva Sousa requer a aplicação de mais de R$ 4 milhões em multas pelo crime de propaganda eleitoral irregular.

Ao percorrer os locais de votação no domingo (15), a Promotoria de Justiça Eleitoral constatou muita sujeira nas vias e locais de votação no município. “Tal propaganda causa uma série de transtornos às cidades, gerando gastos públicos adicionais para que possa haver a posterior limpeza, prejudicando o sistema de drenagem de águas pluviais e gerando o risco de acidentes pessoais,” reforça o promotor no texto da representação.

Antes do dia de votação, o MPE já havia solicitado determinação judicial para que partidos e candidatos se abstivessem da prática de espalhar material de propaganda em frente aos locais de votação. O pedido foi deferido pela Justiça Estadual, por meio da 59ª Zona Eleitoral (59ª ZE).

Mas, observa o MPE, parte dos candidatos descumpriu a determinação judicial. Na nova representação ajuizada, o promotor requer o pagamento de multa no valor de R$ 8 mil por cada um dos 83 candidatos, bem como o pagamento de multa pelo descumprimento da primeira representação ajuizada antes do dia de votação, totalizando mais de R$ 4 milhões.

“É sabido que a prática de derrame de ‘santinhos’, às vésperas da eleição, é prática corriqueira e, infelizmente, hoje não foi diferente (…) Trata-se de propaganda eleitoral irregular por afronta ao artigo 39-A da Lei 9.504/97, que permite, no dia das eleições, apenas a manifestação individual e silenciosa do eleitor, exclusivamente pelo uso de bandeiras, broches e adesivos,” acrescentou o promotor no texto da representação.

A Lei nº 9.504/1997, que estabelece normas para as eleições, tipifica como crimes, no dia do pleito, o uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoção de comício ou carreata; a arregimentação de eleitor ou a propaganda de boca de urna; além da divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos.

(Tina Santos – com informações do MPPA)