Parauapebas Futebol Clube completa 12 anos com objetivo de voltar à elite do Parazão

A missão está com o técnico Luís Carlos Cruz que montou uma comissão forte para levantar o Gigante de Aço
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Parauapebas Futebol Clube (PFC) completa nesta quinta-feira (24), 12 anos de sua fundação. O chamado Gigante de Aço tem em sua história dois títulos estaduais, um deles sendo a Segundinha do Campeonato Paraense conquistada logo em seu segundo ano, em 2010, diante do Abaeté. O clube também se tornou campeão da primeira fase do Campeonato Paraense de 2014, quando conquistou a Taça da Associação dos Cronistas e Locutores Esportivos do Pará (Aclep), contra o Tapajós, se garantindo na elite do Parazão 2015.

Foi justamente na temporada de 2015, que o PFC começou a aparecer no cenário do futebol paraense, quando na estreia do Parazão encarou de cara o atual campeão, o Clube do Remo, no Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. O Gigante de Aço, do técnico Léo Goiano, não tomou conhecimento do Leão Azul e venceu pelo placar de 2 a 1. Com um minuto, Magno Ribeiro marcou o primeiro, e Juninho, cobrando falta, ampliou aos 42 minutos do primeiro tempo. Os azulinos descontaram com o gol de cabeça do atacante Rafael Paty, aos 10 minutos do segundo tempo, mas o Gigante de Aço saiu vitorioso e com os três primeiros pontos no estadual.

A boa campanha do primeiro turno levou a equipe a disputar o título da Taça Cidade de Belém diante do Independente, no Estádio Municipal Antônio Dias, o Navegantão, em Tucuruí. As duas equipes fizeram uma partida acirrada e que acabou no empate sem gols no tempo normal e a decisão foi para a disputa dos pênaltis. Melhor para o Independente que bateu o Parauapebas, por 7 a 6, e soltou o grito de campeão, com o PFC ficando com o vice do primeiro turno.

Outro jogo marcante desta campanha memorável de 2015 foi a vitória de virada diante do Paysandu, em pleno Estádio Leônidas Castro, a Curuzu, em Belém, pela segunda rodada do segundo turno. O Papão abriu o placar com um minuto de jogo, com o gol de cabeça de William Alves. Depois do gol sofrido, o Parauapebas reagiu e marcou dois gols e ambos do atacante Célio Codó, aos 15, e aos 31 minutos do primeiro tempo. Antes do intervalo, Dedeco ampliou, aos 48 minutos, fechando o placar histórico em 3 a 1.

Na classificação geral da competição, o Parauapebas terminou somando 22 pontos, um a menos do bicampeão, Clube do Remo, e dois a mais que o vice-campeão, Independente Tucuruí. Em 12 jogos, o Gigante de Aço conseguiu vencer seis partidas, empatou quatro e perdeu apenas duas vezes. O PFC marcou 16 gols e sofreu nove, terminando com um saldo positivo de sete tentos. A campanha garantiu o time pela primeira vez na Copa do Brasil de 2016, onde encarou o Londrina (PR) na primeira fase da competição, perdendo os dois jogos para a equipe paranaense.

Com o feito de 2015, e com a participação na Copa do Brasil, o PFC surgiu para o futebol nacional e aparece no Ranking Nacional de Clubes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), com 25 pontos, ocupando o 230º lugar. Atualmente, o Parauapebas encontra-se na Segundinha do Parazão onde vai brigar nessa temporada para retornar à elite do futebol paraense. A equipe manda seus jogos no Estádio José Raimundo Roseno Araújo, o Rosenão, que pertence aos clubes da Liga Esportiva de Parauapebas (LEP).

A diretoria do Gigante de Aço não deixou a data passar em branco e lançou a camisa especial comemorativa aos 12 anos do Parauapebas Futebol Clube, com designe diferenciado e na cor roxa de açaí, lembrando o maior fruto do estado do Pará. Devido a pandemia, a cúpula do PFC não vai realizar nenhum evento festivo, mas lançou um vídeo especial para homenagear o clube.

A nova gestão do Parauapebas Futebol Clube conta com Cleiton Soares (presidente), Frank James (vice-presidente) e Márcio Hartmann (gerente de futebol), tendo na comissão técnica Luís Carlos Cruz (técnico), Juninho Cearense (auxiliar), Eduardo Bahia (preparador de goleiros), William Schmidt (preparador físico) e Alan Bahia (técnico do Sub-20).

“Primeiramente parabenizar o Parauapebas Futebol Clube, que a cidade ganhou há 12 anos atrás, um gigante: o Gigante de Aço! Que tem uma história bonita em sua trajetória, de vitórias, de derrotas, de conquistas, de aprendizado, que me parece agora, aos 12 anos, entrando em uma adolescência de vida, querendo definir um novo rumo, como todo o jovem, buscando o acesso à primeira divisão”, disse Luís Carlos Cruz, técnico do Parauapebas Futebol Clube.

Por Fábio Relvas / Fotos: Divulgação e Virgílio Ferro