Pará é um dos campeões em mulheres no cargo de juíza titular

Estado é recordista em participação feminina nos cargos de desembargador: 69%. Informações constam do “Diagnóstico da Participação Feminina no Poder Judiciário”, levantamento do CNJ.

Continua depois da publicidade

De cada 100 cargos de juiz titular no Pará, pelo menos 41 são ocupados por mulheres. Ao lado de Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Paraíba e Sergipe, o Pará tem a magistratura menos desigual em termos de gênero. É o que informa um levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), lançado por meio do “Diagnóstico da Participação Feminina no Poder Judiciário”.

O estudo traça a presença feminina nos cargos mais importantes do Poder Judiciário brasileiro, assim como o avanço na carreira, e observa que a ascensão ao cargo não possui relação direta com a região geográfica do país onde a magistrada atua. Além de se destacar em número de juízas titulares, o Pará apresenta o maior percentual de desembargadoras do país: 69% dos cargos são preenchidos por elas aqui no estado.

A primeira versão do diagnóstico mostrou que a magistratura brasileira é predominantemente composta por homens e possui apenas 38,8% de juízas em atividade. O estudo revelou que o desequilíbrio fica mais evidente quando se considera que, nos últimos dez anos, a participação feminina aumentou apenas 1,2 ponto percentual, quando registrava 37,6% de magistradas nas diferentes cortes do país.

O diagnóstico conclui destacando que, de maneira geral, o percentual de participação feminina na magistratura ainda é baixo, embora venha aumentando — saiu de 24,6% em 1988 para 38,8% em 2018. A Justiça do Trabalho (50,5%) e a Justiça Estadual (37,4%) são as com maiores percentuais de mulheres na magistratura em atividade. Por outro lado, nos Tribunais Superiores (19,6%) e na Justiça Militar Estadual (3,7%) estão os menores índices de participação feminina. Vale destacar que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres correspondem a 51,6% da população brasileira.