Parauapebas

Nova turma de Agentes de Proteção toma posse em Parauapebas

Eles já começam a trabalhar nas festividades do aniversário do município, coibindo a venda de bebida alcoólica e cigarros para crianças e adolescentes e a permanência destes em locais impróprios

Empossada na manhã desta quarta-feira, 8, a nova turma de Agentes de Proteção da Criança e da Juventude deve iniciar seu trabalho nas festividades de comemoração do aniversário de Parauapebas. Agora, são 17 os agentes que têm como missão fiscalizar os locais onde são comercializados bebidas alcóolicas e cigarros ou locais de diversão onde seja proibida a entrada e permanência de menores de 18 anos de idade.

Esta é terceira turma que conta com veteranos trazendo suas experiências, além de receber novatos que chegam para contribuir com o Poder Judiciário, por meio da 1ª Vara Cível e Empresarial de Parauapebas, cuja titular é a Juíza Priscila Mousinho.

“É um trabalho voluntário, por isso já contamos com a benesse dessas pessoas em querer participar um pouco mais da sociedade sendo a extensão do braço da Vara de Infância e Juventude através de ações preventivas e educativas”, disse a magistrada.

Ele afirma que isso muito contribui para coibir a venda e o consumo de cigarros, drogas bebidas alcoólicas e outras substâncias que prejudiquem a moral, saúde conduta dos adolescentes, além de suas permanências em locais inadequados.

Priscila Mousinho diz ter notado a falta de domínio dos pais sobre os filhos. Por isso, cabe à Vara da Infância e da Juventude assegurar que nenhum direito de criança ou adolescente sofra ameaça ou violação.

Girlan Pereira é coordenador-adjunto da equipe que encerrou hoje seus trabalhos, mas foi também empossado para mais um período, devendo assim completar três anos na função, já que os mandatos têm duração de um ano, podendo ser prorrogados por tempo igual.

“Nosso trabalho foi árduo, sim. Mas, sempre contamos com o apoio do Poder Judiciário, do Conselho Tutelar e da Polícia Militar em todas nossas ações” afirma ele, que diz ter notado um fato muito grava: a postura de muitos pais, que não se preocupam com o bem-estar dos filhos, expondo-os a situações de risco ao levá-los, ainda pequenos, a lugares que não condizem com a etária deles.

“Ou permitindo que adolescentes frequentem locais indevidos e consumam bebidas alcóolicas”, lembra Girlan, ressaltando que é importante a contribuição dos pais na retomada do controle e na cooperação com o trabalho de órgãos como, por exemplo, os Agentes de Proteção da Criança e da Juventude.

Após a posse dos novos membros, no Salão do Júri do Fórum, foi realizada reunião para planejamento de ações a serem executadas.

Deixe seu comentário