Justiça condena ex-prefeito de São João da Ponta, PA, por improbidade

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Ação do MPF aponta falta de prestação de contas dos recursos recebidos. Programa teria repassado R$ 15 mil durante mandato do prefeito.

foto-04820-140000021711-20121025121059O ex-prefeito de São João da Ponta, no nordeste do Pará, foi condenado pela Justiça Federal por improbidade administrativa durante o mandato que exerceu de 2001 a 2005. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), que ajuizou a ação pública contra o ex-gestor, Orleandro Alves Feitosa (foto) teria deixado de prestar contas de R$ 15.138,00 repassados pelo Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

O juiz federal Omar Belloti Ferreira condenou o ex-prefeito, que teve os direitos políticos suspensos por quatro anos, após avaliar as provas presentes na ação civil pública encaminhada pelo MPF. O político teve ainda que pagar uma multa cinco vezes o valor da última remuneração recebida no exercício de serviço público e pagamento das custas processuais.

Para o procurador da república Felício Pontes Jr, que encaminhou a ação para a Justiça Federal, “a omissão quanto ao dever de prestar contas de recursos públicos revela desdém da autoridade no trato com a coisa pública. Além disso, por trás da não prestação de contas pode estar a subtração ou desvio de verba”.

Programa Dinheiro Direto na Escola
O PDDE objetiva prestar assistência financeira às escolas públicas do ensino fundamental das redes estaduais, municipais e às escolas privadas de educação especial mantidas por entidades sem fins lucrativos. é a melhora da infraestrutura física e pedagógica das escolas e a elevação dos índices de desempenho da educação básica. (G1-PA)

Publicidade

Relacionados