Funcionário da Vale executado quando aguardava condução para o trabalho

Claiton Jorge Perote teria reagido a um assalto e foi assassinado. Essa hipótese, porém, leva a uma indagação: por que só ele foi assaltado, uma vez que havia outras pessoas no mesmo local?
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Claiton Jorge Perote tinha 35 anos de idade

Continua depois da publicidade

A Polícia Civil em Parauapebas, por meio da Divisão de Homicídios (DH) da 20ª Seccional Urbana, busca informações para tentar elucidar o assassinato de Claiton Jorge de Sousa Perote, 35 anos, funcionário da mineradora Vale. Ele foi executado a tiros, na presença de colegas que se encontravam em um ponto de ônibus. O crime aconteceu às 4h da madrugada deste sábado (27), na esquina da Avenida Q com a Rua C-5, no Bairro Cidade Jardim.  

A polícia espera que as câmeras de monitoramento das residências na esquina onde ocorreu o crime tenham registrado a ação dos assassinos, na tentativa de identificá-los. 

Segundo informações de colegas de Cleiton, no momento em que ele chegava ao local para aguardar o ônibus que levaria a todos ao trabalho, uma motocicleta com dois ocupantes se aproximou e um deles efetuou os disparos contra a cabeça do homem, que trabalhava no Projeto Salobo.

Informações colhidas pela Reportagem no local do crime dão conta de que os bandidos tentaram assaltar Cleiton Perote e o estavam seguindo desde que saiu da casa, mas ele teria reagido e, por isso, foi baleado, caracterizando o crime de latrocínio, roubo seguido de assassinato.

Claiton era funcionário da Vale, no Projeto Salobo

Até o momento essa hipótese tem sustentação porque os assassinos levaram a carteira porta-cédulas e o celular da vítima. Porém, outras testemunhas questionam que, se os indivíduos na moto eram assaltantes, por que só Cleiton foi alvo de roubo, uma vez que havia outras pessoas no ponto de ônibus? E dizem suspeitar de que o roubo teria sido só um ardil para justificar a execução. 

Outras informações chegadas ao conhecimento do Blog vêm ao encontro dessa suspeita. Elas descrevem que, ao chegar ao ponto de ônibus, um dos ocupantes da moto teria dito: “Sai todo mundo daqui, afastem, o negócio é só com esse cara”, referindo-se à vítima. 

Nas redes sociais, a morte de Claiton Jorge de Sousa Perote está sendo muito lamentada. Todos os comentários dão conta de que ele era um bom colega de trabalho, excelente funcionário, pessoa muito divertida e evangélica, exercendo, inclusive, cargo de liderança na igreja em que era congregado.

(Caetano Silva)