Ex-prefeito de Santa Cruz do Arari é condenado a 20 anos de prisão por chacina de 400 cães

Pamplona é acusado de organizar recolhimento de cães na cidade, inclusive oferecendo recompensa aos moradores que capturassem animais
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Animais resgatados em 2013: ONG de Belém conseguiu salvar alguns cachorros de Santa Cruz do Arari

Continua depois da publicidade

O ex-prefeito de Santa Cruz do Arari, Marcelo Pamplona, município de menos de 10 mil habitantes na Ilha de Marajó (PA), foi condenado a 20 anos de prisão e a pagamento de multa de R$ 1,7 milhão pela matança de 400 cachorros em maio de 2013 e por tentativa de obstruir as investigações. A sentença judicial foi dada em primeira instância no fim do último mês, e ainda cabe recurso.

Pamplona é acusado de organizar recolhimento de cães na cidade, inclusive oferecendo recompensa aos moradores que capturassem animais – seriam R$ 10 por fêmea e R$ 5 por macho. Os cachorros eram, na sequência, lançados à água ou abandonados em uma ilha. O objetivo, segundo o ex-prefeito, era “reduzir a superpopulação de cachorros na zona urbana da cidade.

Mais seis pessoas foram condenadas no caso: Luiz Pamplona, Waldir Sacramento, José Trindade, Josenildo Trindade (vulgo Nicão), Odileno Souza e Alex Costa.

Na sentença, o juiz Leonel Cavalcanti escreveu que os réus têm “personalidades reprováveis, por serem pessoas frias, calculistas e insensíveis ao sofrimento de indefesos animais”. O magistrado determinou ainda que os condenados sejam afastados do serviço público, se for o caso, pois os crimes foram praticados com o uso de bens públicos.

A condenação é resultado de uma investigação do MPE (Ministério Público Estadual) paraense, que denunciou crime ambiental continuado. Segundo os promotores, os animais capturados eram levados para o ginásio de esportes, de onde seguiam em embarcações – uma delas, de propriedade da prefeitura.

“Fotografias e vídeos obtidos durante as investigações mostram os animais laçados e arrastados pelas ruas, ocasionando fraturas, perda de pedaços de peles e sangramentos. Eles eram levados para porões de barcos e apanhavam com pedaços de paus. À medida que cachorros iam morrendo dentro das embarcações, eram jogados na beira do lago”, diz o MPE.

Na época das denúncias, alguns animais foram resgatados por uma ONG de proteção animal e levados para Belém.

O ex-prefeito ainda teria coagido testemunhas e agredido um homem que se opôs à captura de seus cães. A testemunha vive atualmente sob proteção policial.

Fonte: UOL

Publicidade