Especialistas dizem em audiência que gestantes ainda não devem voltar ao trabalho

Obstetras e membros da Justiça do Trabalho advertiram para os riscos em audiência na Câmara dos Deputados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Retorno ao trabalho das gestantes que concluíram o ciclo das vacinas. Secretária Nacional de Políticas para Mulheres Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, Cristiane Britto

Continua depois da publicidade

Brasília – A conclusão a que chegou a audiência pública virtual nesta terça-feira (13), promovida pela Comissão Externa de Enfrentamento à Covid-19 da Câmara dos Deputados, que ouviu representantes da obstetrícia, da Justiça do Trabalho e do Ministério da Saúde, adverte que gestantes já imunizadas com as duas doses da vacina contra a Covid-19 não devem voltar agora ao trabalho presencial.

Eles admitiram as pressões dos empregadores e das próprias gestantes para a retomada do trabalho presencial, mas recomendaram cautela e meios de transferir os atuais encargos financeiros dos patrões para a Previdência Social.

A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) mostrou dados internacionais do elevado índice de mortalidade por Covid entre gestantes e mães de recém-nascidos (puérperas). Representante da Federação, a obstetra Rosiane Mattar lembrou que um período de dez meses, entre o segundo trimestre da gravidez e o puerpério, registra as maiores porcentagens de óbitos maternos por Covid-19. De acordo com a médica, a atual cobertura vacinal do Brasil ainda não é segura para a volta do trabalho presencial das gestantes.

“Nós consideramos que não há possibilidade de elas voltarem ainda porque os trabalhos em comunidades fechadas, em outros países, têm mostrado que a doença só fica controlada quando mais de 50% da população está vacinada. Então, [enquanto isso não acontece] ela vai continuar tendo risco [da doença] e continuar tendo a possibilidade de espalhar mais o vírus,” explicou.

Rosiane Mattar preocupa-se também com a atual situação instável das gestantes adolescentes, ainda sem qualquer dose de vacina, e das grávidas que chegaram a receber uma dose de AstraZeneca, e agora aguardam o posicionamento de seus estados quanto à segunda dose ou à intercambialidade com doses de Pfizer ou Coronavac.

“Na verdade, temos um grupo de pessoas que não completaram a vacinação e um grupo de pessoas jovens que não iniciaram a vacinação. E, das que já começaram a vacinação, ainda tem muitas que não conseguiram tomar a segunda dose e ainda terão de esperar 14 dias depois”.

Segundo o Ministério da Saúde, houve 12.260 casos e 1.090 óbitos de gestantes e puérperas por Covid-19 desde o início da pandemia no Brasil. Só neste ano, foram 6.925 casos e 800 mortes. A maior parte das vítimas tinha entre 20 e 39 anos de idade e apresentava outras comorbidades, como hipertensão, diabetes e obesidade.

Integrante do grupo técnico de vigilância epidemiológica da Covid-19 do Ministério da Saúde, Priscila Alencar também recomendou cautela na volta do trabalho das gestantes. Na mesma linha, o presidente da Academia Brasileira de Direito do Trabalho e ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Alexandre Agra Belmonte, alertou que “o estado de emergência se mantém até que 70% da população esteja imunizada”.

“O risco persiste e são inúmeros os casos de contaminação por Covid com graus variados de enfermidade, inclusive por quem já tomou as duas doses da vacina. Penso que juridicamente seria precoce o retorno, ainda mais acrescentando a questão do transporte coletivo ao qual muitas dessas gestantes vão experimentar,” disse.

O ministro do TST lembrou que a lei 14.151/2021, recentemente aprovada pelo Congresso e em vigor desde maio, garante à gestante o direito de ser afastada do trabalho presencial sem prejuízo da remuneração durante a pandemia. Belmonte avalia que faltou, na lei, a previsão de um benefício previdenciário para as gestantes em vez de repassar o custo apenas para o empregador. Organizadora do debate, a deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC) admitiu a necessidade de ajustes quanto a esse item da legislação.

“Precisamos manter o afastamento enquanto não tivermos 50% ou mais da população vacinada com a D-2, ou seja, com uma boa cobertura vacinal. Se, no texto da lei, falhamos imaginando que isso seria complementado na regulamentação, precisamos agora acertar e garantir também a proteção do setor produtivo, com a Previdência Social fazendo o pagamento dos afastamentos dessas mulheres,” enfatizou.

A deputada manifestou preocupação com gestantes domésticas e que trabalham em setores de serviços e comércio que já exigem a volta ao trabalho presencial após a imunização. Zanotto pretende enviar ofício ao Ministério da Saúde e aos gestores do Plano Nacional de Imunização para que encaminhem à Câmara um posicionamento mais claro sobre o tema.

Por Val-André Mutran de Brasília