Em Parauapebas, prefeitura quer regulamentar afastamento de gestantes na pandemia

Maioria das gestantes se concentra nas secretarias de Educação (Semed) e Saúde (Semsa), que são as mais populosas. Medida vai garantir que as servidoras se protejam do coronavírus.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um projeto de lei enviado à Câmara pelo prefeito de Parauapebas, Darci Lermen, poderá, se aprovado pelos parlamentares, possibilitar o afastamento da servidora municipal gestante de atividades presenciais durante a pandemia de coronavírus. O PL 108/2021 desembarcou na Casa de Leis na última sexta-feira (13) e, ontem (16), foi emitida a certidão de admissibilidade pela Diretoria Legislativa.

Pelo projeto, o governo municipal quer que, durante a pandemia, as grávidas servidoras da prefeitura ou mesmo do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saaep) possam requerer afastamento do trabalho presencial. A chefia imediata delas deverá providenciar meios para a realização de teletrabalho. A medida deve alcançar cerca de 200 servidoras, a maior parte delas lotada nas secretarias de Educação (Semed) e Saúde (Semsa), as mais “populosas”.

Na minuta do PL, consta que a servidora gestante que desenvolve atividade incompatível com o trabalho remoto deverá ser afastada e ficar à disposição da Administração, caso não seja possível dar-lhe outras atribuições do cargo ocupado compatíveis com o que habitualmente faz. Se a servidora possuir direito a licença-prêmio ou férias, deverá gozar compulsoriamente e, ao final, persistindo o período de pandemia, passar para o afastamento requerido.

Por outro lado, as servidoras gestantes afastadas do trabalho presencial não poderão receber pagamentos como horas-extras, vale-transporte, adicional noturno, adicional de insalubridade, adicional de periculosidade, gratificação de risco e adicional de risco de morte.

Quase 500 mortes

Em mensagem enviada à Câmara para justificar o projeto, Darci Lermen destaca que o intuito é proteger as gestantes servidoras municipais de infecções pela Covid-19, de modo que aquelas que se sintam inseguras para o trabalho presencial tenham a opção de fazê-lo por teletrabalho. “Tendo em vista a necessidade de igualmente resguardar o erário público, faz-se imperativa a adoção de medidas como a vedação de pagamento de verbas indenizatórias que possuam natureza intrinsicamente ligada ao desempenho efetivo e presencial das atividades”, pondera o prefeito. “Como exemplo, cita-se o adicional de insalubridade que, inexistindo a condição insalubre na atividade desenvolvida, torna-se indevido o seu pagamento”, explica.

O prefeito defende que, “constatada a importância e responsabilidade de resguardar a vida e a saúde da servidora gestante e da vida que gera”, a promulgação da lei fará Parauapebas avançar na luta contra o coronavírus, que vem ceifando vidas diariamente no mundo. Parauapebas se aproxima de 500 vidas perdidas na pandemia, número superior ao registrado pelo vizinho Marabá, que tem população maior.