Eleitor tem 60 dias para justificar ausência em votação

Quem não votou no primeiro turno pode votar no segundo, mesmo sem ter justificado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Brasília – Os eleitores que não foram às urnas no domingo (15), no primeiro turno das eleições municipais de 2020, têm 60 dias para justificar a ausência. Ou seja, eles podem quitar suas obrigações com a Justiça Eleitoral, até o dia 14 de janeiro. O mesmo prazo de 60 dias vale para quem não puder votar no segundo turno das eleições municipais, em 29 de novembro. Entretanto, nada impede o eleitor de votar no segundo turno, ainda que não tenha justificado a ausência no primeiro turno, diz a legislação eleitoral.

Um aplicativo chamado e-Título foi lançado este ano para facilitar a justificativa e evitar a circulação de pessoas em tempos de pandemia do novo coronavírus. Apesar da instabilidade do aplicativo no dia da eleição, ele poderá continuar sendo usado para justificar a ausência às sessões eleitorais. Nesta terça-feira (17), o aplicativo estava funcionando sem problemas.

Para aparelhos Android, é possível baixar o aplicativo aqui. Já para iOS, acesse e baixe o aplicativo aqui.

Além do e-título, o eleitor pode usar o Sistema Justifica, ou preencher o Requerimento de Justificativa Eleitoral, que também está disponível na internet, imprimir e entregar em um cartório eleitoral.

Com qualquer uma dessas ferramentas, é recomendável anexar um comprovante que explique o motivo da ausência na votação. Pode ser, por exemplo, um atestado médico ou uma passagem de ônibus ou avião.

O especialista em Direito Eleitoral, Alexandre Rollo, lembra que o voto é obrigatório e ressalta a importância de estar em dia com a Justiça Eleitoral.

“Se eu não votar, eu preciso justificar. Se eu não votar e não justificar, vai ser imposta uma multa pra mim. Essa multa não é uma multa relevante, gira em torno de R$ 8, R$ 10, não mais do que isso. Se eu não votar, não justificar e não pagar a multa, eu posso ter uma série de consequências como, por exemplo, a não obtenção de passaporte”.

Além do passaporte, cidadãos em débito com a Justiça Eleitoral ficam impedidos, por exemplo, de participar de concorrências públicas, pegar empréstimos em instituições financeiras públicas ou fazer inscrição em concursos.

A justificativa é válida somente para o turno ao qual o eleitor não compareceu por estar fora de seu domicílio eleitoral. Assim, caso tenha deixado de votar no primeiro e no segundo turno da eleição, terá de justificar a ausência a cada um, separadamente, obedecendo aos mesmos requisitos e prazos de cada turno.

O eleitor pode justificar a ausência às eleições tantas vezes quantas forem necessárias, mas deve estar atento à eventual revisão do eleitorado no município onde for inscrito, visto que o não atendimento à convocação da Justiça Eleitoral levará ao cancelamento de seu título eleitoral.

Por Val-André Mutran – de Brasília