Economia: Parauapebas e Canaã são 2º e 3º mais importantes para o Brasil no 1º semestre

Na terra dos maiores produtores globais de minério e que exportaram 10,5 bilhões de dólares, 45 mil vivem na pindaíba total e 95% da população nunca viram a commodity ao vivo e a cores.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Para quem assiste ao trem passar pela Estrada de Ferro Carajás (EFC), com seus vagões entupidos de minério de ferro rumo ao desconhecido além-mar, a imagem do mostrengo e a zoada de seu apito são apenas elementos comuns, de mais um dia normal em Canaã dos Carajás e Parauapebas.

Nesses dois municípios interioranos, considerados suprassumos da riqueza na Região Norte, o trem é o vizinho mais inconveniente de comunidades pobres, marcadas por exclusão social e por ausência de serviços sociais básicos, como saneamento. São 30 mil pessoas em situação de pobreza extrema em Parauapebas e outras 13,5 mil em Canaã dos Carajás, de acordo com a atualização de abril deste ano do Cadastro Único, do Governo Federal.

Mas o trem, que atravessa os pobres, carregou cerca de 10,5 bilhões de dólares em riquezas produzidas nesses dois municípios durante o primeiro semestre deste ano e tornaram Parauapebas e Canaã, sem querer querendo, 3º e 4º principais do Brasil para sustentar as contas de uma nação de 212 milhões de habitantes regada a graves injustiças e desigualdades, como frágeis serviços públicos de saúde e educação.

De Parauapebas, o 3º, foram embarcados 5,954 bilhões de dólares, enquanto de Canaã, o 4º, partiram 4,586 bilhões. Só os municípios de Duque de Caxias (8,332 bilhões) e Rio de Janeiro (6,041 bilhões) exportaram mais. Até a cidade de São Paulo (2,428 bilhões) sucumbiu à força que vem do Pará. Os dados da balança comercial por município foram liberados nesta quarta-feira (7) pelo Ministério da Economia, e o Blog do Zé Dudu fez a comparação.

2º e 3º em lucro comercial

Muito mais que excelentes exportadores, Parauapebas e Canaã têm consigo a cereja do bolo para as contas do país: lucro. Eles, como nenhuma outra localidade do país, são os lugares que mais dão resultado para o Brasil, com performance progressivamente melhor que os fluminenses Duque de Caxias e Rio de Janeiro. A razão é simples de entender: exportam muito e importam quase nada.

Essa situação faz com que apresentem superávit comercial magnífico — que é o que realmente importa para as contas nacionais. Parauapebas garantiu o 2º maior lucro do país, de 5,808 bilhões de dólares, enquanto Canaã rendeu 4,554 bilhões. Eles, neste recorte, só ficaram atrás de Duque de Caxias, que rendeu 7,161 bilhões de dólares. A diferença é que Duque importou ao longo do semestre 1,171 bilhão de dólares em commodities, enquanto Parauapebas importou apenas 146,3 milhões e Canaã, menos ainda: apenas 32,2 milhões.

Todo esse resultado magistral, importante para o Brasil, está apenas nas estatísticas e muito distante da realidade das populações das localidades produtoras dos bens exportados. Parauapebas e Canaã dos Carajás são líderes globais da produção de minério de ferro de alto grau de pureza e sua commodity é, na realidade, desconhecida da população — 95% da população dos dois municípios nunca viram o minério de ferro ao vivo e a cores.

Uma considerável parcela da população que dorme e acorda aos pés dos bilhões de dólares movimentados na região jamais terá a dimensão do que é riqueza de fato, e com o trem carregado ou não, nada vai mudar. Porque ser importante para o Brasil não é necessariamente o mesmo que mudar a vida de quem vive à margem da riqueza.