Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Eldorado do Carajás

PM: Operação policial surpresa em Eldorado do Carajás detém 68 pessoas

A operação foi planejada com o intuito de afastar os criminosos colocando-os no seu devido lugar, na cadeia

Uma operação policial no centro da cidade e nas periferias de Eldorado do Carajás ocorrida na madrugada deste domingo, 18, teve, na avaliação do comandante do 23º Batalhão da Polícia Militar, tenente coronel Wilson Moura, resultados expressivos, com um saldo de dezenas de pessoas detidas. “O ato se deu através de força-tarefa desenvolvida por dezenas de policiais civis e militares com a força tática além de um helicóptero que deu apoio aos policiais que participaram da operação”, detalhou o comandante militar, informando que desde que sargento Saturnino assumiu o comando do policiamento de Eldorado esta é a primeira vez que que se realiza um ato ostensivo como este.

Com a operação, sempre feita de surpresa, o povo de Eldorado ficou curioso com o barulho da aeronave da policia Militar sobrevoando o céu da cidade. Enquanto isso, 68 pessoas foram detidas e várias outras autuadas em flagrantes por porte ilegal de arma, tráfico de entorpecentes e por conduzir motocicleta com registro de roubo no banco de dados do DETRAN.

De acordo com o sargento Saturnino, comandante do policiamento em Eldorado, o objetivo da operação foi combater o aumento da criminalidade, bem como tráfico de entorpecentes, assaltos, roubo de veículos e todo tipo de crimes que vem perturbando o sossego da sociedade Eldoradense.  Para Saturnino, o município estava necessitando de uma intervenção policial que afastasse o poder paralelo do crime para bem longe do povo de bem.

“A operação foi planejada com o intuito de afastar os criminosos, colocando-os no seu devido lugar, na cadeia. Faremos o possível para separar o bandido do cidadão e trazer paz e sossego a todos os moradores”, concluiu Saturnino. (Por Salém Campos, de Eldorado do Carajás)

Polícia

Denúncia ao Tático da PM evita furto em agência do Basa, em Marabá

Os ladrões abriram um buraco na parede do banco e entraram. Com eles foram apreendidos os equipamentos que seriam usados para arrombar cofres e caixas eletrônicos no fim de semana

Guarnição do Grupo Tático Operacional da Polícia Militar recebeu, na madrugada deste sábado (17), a informação de que a agência do Basa da Nova Marabá estava sendo alvo de ladrões. Imediatamente, se deslocou para o endereço, na Folha 31. Por volta das 3h50, ao se aproximarem, os policiais perceberam a presença de pessoas no estabelecimento. Em seguida, as luzes se apagaram.

Ante a situação, eles entraram em ação e pularam o muro do banco, flagrando Jacsiel Sousa de Moura do lado de fora, onde constataram que já havia um buraco na parede. Dentro da agência foram presos Rodrigo de Jesus Oliveira e Edivaldo Gomes da Silva. O trio foi levado imediatamente à 21ª Seccional Urbana de Polícia Civil.

No local a, a guarnição da PM, formada pelos cabos Ailson e Torres e pelos soldados Jesiel e Abreu, apreendeu:

Uma lixadeira

50 discos de aço

Um transformador

Duas chaves de fenda

Três brocas de furadeira

Um martelete

Uma talhadeira

Quatro rolos de papel alumínio

Quatro máscaras

Duas ponteiras

Uma marreta

Um cilindro de gás

Dois aparelhos celulares

Uma chave de ignição de motocicleta.

Segurança

Prefeitura de Parauapebas e Vale realizam simulado de emergência na Apa do Gelado

Foram testadas as rotas de fuga, pontos de encontro, sinalização e o deslocamento das comunidades até os locais seguros indicados no Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração

A Prefeitura de Parauapebas, por meio da Defesa Civil, e a Vale realizam hoje, 14, simulado de emergência da Barragem do Gelado no Complexo Mineral de Carajás, em Parauapebas, no Pará. Com o exercício, foram testadas as rotas de fuga, pontos de encontro, sinalização e o deslocamento das comunidades até os locais seguros indicados no Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM), assim como a comunidade da APA foi treinada sobre como agir em suposta situação de emergência.

A atividade faz parte de um conjunto de ações preventivas, previstas em lei, a fim de garantir ainda maior segurança aos moradores que residem na região. A realização conta também com a participação da Defesa Civil Estadual, Polícia Militar, Instituto Chico Mendes da Biodiversidade, Corpo de Bombeiros e secretarias municipais de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão, Meio Ambiente, Saúde e Assistência Social e ainda da Guarda Municipal e Departamento Municipal de Transporte e Transporte (DMTT).

Cabe ressaltar que a Vale vem cumprindo criteriosamente todos os parâmetros técnicos específicos para cada uma de suas barragens, o que atesta a segurança das mesmas. Todas as estruturas da mineradora são auditadas por auditores externos independentes e possuem a sua estabilidade atestada tanto pelo auditor quanto pelo órgão regulador – a Agência Nacional de Mineração -, com emissão da Declaração de Condição de Estabilidade.

A atividade desta quarta-feira-feira abrangeu parte da comunidade da APA. Ao final do treinamento, os participantes preencheram questionários que vão ajudar a Defesa Civil e a Vale a identificar pontos positivos e oportunidades de melhoria dos planos.

Violência

Duas mortes violentas no sábado em Parauapebas

Rone Santana Santos foi baleado na porta de um bar, no Bairro da Paz, enquanto Fábio Rodrigues Alves reagiu a uma abordagem policial no Bairro Rio Verde

A primeira vítima foi Rone Santana Santos, 26 anos, que estava em um bar na esquina das ruas Ângela Diniz e Castro Alves, no Bairro da Paz, por volta das 17 horas, quando um desconhecido chegou, de moto, e o matou a tiros na cabeça. Uma irmã de Rone, que, muito abalada não conseguiu nem dizer o nome, falou rapidamente com a PM e disse que dias antes o irmão havia tido um desentendimento com um conhecido e supõe que ontem essa pessoa tenha ido “fazer a cobrança”.

O outro morto foi Fábio Rodrigues Alves, 26, que, da garupa de uma moto sacou de um revólver calibre 32 e apontou para uma guarnição da PM ameaçando atirar, tendo os militares respondido à altura e baleado ele, que ainda chegou a ser socorrido e levado ao Hospital Geral, mas não resistiu ao baleamento e morreu, conforme relato dos policiais.

Era por volta das 19h50 quando a guarnição recebeu a informação de que na Avenida Amazonas, Bairro Rio Verde, uma dupla, em uma moto Honda Biz, estava cometendo assaltos. Os policiais se
dirigiram a local e abordaram uma moto, pilotada por Caíque Alves, 22 anos, levando Fábio na grupa, quando se deu a ameaça. Na Delegacia de Polícia Civil, Caíque contou ao Repórter do Blog que estava na companhia de Fábio e uma terceira pessoa para a qual Fábio pediu que o levasse a um determinado local.

“O rapaz disse, então, que já havia colocado o carro na garagem e me pediu para levar o Fábio na moto dele. Quando chegamos à Avenida Amazonas, a polícia mandou parar, eu parei e  desmontei da moto, me encostaram na parede e eu só ouvi o tiroteio”, conta Caíque, afirmando que nem sabia que o amigo estava armado. Ele afirma que é inocente e diz que estranhou a reação de Fábio de quem diz ser amigo de infância e afirma que ambos são bombeiros civis e trabalham na Serra dos Carajás: “Agora vou tentar provar a minha inocência, nunca imaginei estar numa situação dessas”, lamentou.

Parauapebas

Polícia Militar prende traficante de crack e fabricante clandestino de armas

Em operações bem sucedidas, a PM continua fazendo uma verdadeira limpeza nas ruas de Parauapebas

A Polícia Militar prendeu ontem, terça-feira (23), em Parauapebas, Elielton Sales de Souza, 23 anos. Ele foi flagrado com 583 gramas de crack e autuado no Artigo 33 da Lei 11.343/2006 (Lei Antidrogas), pelo crime de tráfico de entorpecentes. À Reportagem do Blog o acusado disse ser “apenas usuário”, alegando que a droga encontrada com ele era de outra pessoa, porém, não soube identificar o suposto dono. Contou que essa pessoa pagou R$ 20,00 para que ele entregasse a droga a uma mulher, mas, ao chegar ao local combinado, acabou sendo flagrado pela polícia.

“Eu sou pintor, pedreiro, sou trabalhador, mas, infelizmente, caí nessa armadilha das drogas. E aceitei fazer essa entrega porque o cara me pagou R$ 20,00, o preço de uma ‘paradinha’ para eu fumar. Eu não sei quem é ele”, tentou se explicar Elielton, que pode pegar de cinco a 15 anos de cadeia.

Armas clandestinas

Também ontem a PM desmantelou, no Bairro Cidade Jardim uma fábrica clandestina de espingardas e prendeu o dono, Osmair Pereira Almeida, 42 anos, que já havia sido denunciado pelo mesmo crime, mas não havia sido preso. A fábrica funcionava na casa do acusado, na Rua M-13, onde a polícia encontrou coronhas, canos, uma máquina de solda e demais equipamentos e peças para a fabricação do armamento.

A Polícia Militar já vinha fazendo levantamentos a respeito da fábrica clandestina, para onde os interessados em adquirir as espingardas se dirigiam, pagavam antecipadamente e, dentro de poucos dias, recebiam a arma pronta para uso. Em sua defesa, Osmair diz que é serralheiro de profissão e nega fabricar espingardas, afirma que “aqui e ali” faz algum conserto quando procurado por algum conhecido, nada mais que isso.

“Esses canos que foram apreendidos nem servem para armas, são de metal galvanizado, são de um rapaz que chegou lá na oficina e deixou lá porque não serviam para o serviço que ele encomendou”, afirmou o acusado, dizendo ainda que, com certeza, a denúncia de que ele fazia armas partiu de pessoas que verdadeiramente vivem da fabricação clandestina de armamento e o denunciaram como forma de desviar a atenção da polícia.

Indagado sobre quem são esses fabricantes, Osmair disse não saber identificá-los, mas afirmou que eles existem. Ele foi enquadrado no Artigo 17 da Lei 10.826/2002 (Estatuto do Desarmamento) e pode pegar pena de 4 a oito anos de cadeia.

Parauapebas

Polícia Militar deflagra “Operação Ocupação” em Parauapebas

Durante o fim de semana prolongado bairros de Parauapebas serão ocupados pela PM na tentativa de diminuir a onda de violência.

Alguns bairros de Parauapebas, previamente identificados com maior concentração de ocorrências de homicídios, roubos e furtos, receberão, durante o fim de semana prolongado, policiamento intensificado denominado de Operação Ocupação, segundo anunciou ao Blog o Comandante do 23º Batalhão da Polícia Militar em Parauapebas, Tenente-Coronel Wilson.

A ação consiste em uma megaoperação que contará com homens do Grupo Tático Operacional (GTO), Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas (Rocam) e de viaturas de serviço da Polícia Militar do Pará visando reprimir a violência no município.

A operação, que terá início na noite desta quinta-feira (11), será comandada in loco pelo Tenente-Coronel Wilson sob a supervisão do Coronel Mauro Sergio, Comandante do CPR II. Segundo o comandante, a cada dia um bairro receberá a operação, durante toda a noite e madrugada. Os bairros selecionados não serão divulgados para que o efeito surpresa esteja a favor da PM, relatou ao Blog o comandante.

Polícia

Mais de meia centena de policiais caçam assaltantes do Bradesco de Jacundá

O bando fugiu em direção a Goianésia do Pará, onde um dos carros usados no assalto foi encontrado incendiado

Mais de 50 policiais civis e militares estão envolvidos nas buscas de um bando formando por aproximadamente 10 integrantes que assaltou a agência do Bradesco da cidade de Jacundá na noite de ontem, terça-feira (14). Apesar do intenso tiroteio e destruição parcial do cofre principal da agência, a quadrilha, segundo informa a polícia, não teve êxito na jornada. Nenhum refém saiu ferido fisicamente nem moradores.

Estão envolvidos nas buscas equipes da DRCO, GPE, Tático, Polícia Rodoviária Estadual, CPR 4 da Polícia Militar de Tucuruí, além de policiais de Jacundá. Eles vasculham via terrestre e área a região rural denominada de Açaizal e também Janari, no município de Goianésia do Pará, onde uma caminhonete Ford Ranger foi destruída por fogo. O carro era usado na fuga do bando.

A ação da quadrilha começou com a rendição de uma guarnição da Polícia Rodoviária Estadual. Três policiais lanchavam num ponto da Avenida Cristo Rei, cerca de 300 metros do banco, quando foram surpreendidos pelo grupo armado que chegou numa Ford Ranger, prata. Em seguida, outra caminhonete foi roubada e o motorista feito refém.

Cinco reféns civis foram colocados como escudo humano com os militares. E quatro componentes da quadrilha fortemente armados dispararam dezenas de vezes para o alto. No interior da agência, três explosões provavelmente de dinamites foram ouvidas. “O cofre ficou parcialmente destruído, no entanto, não houve roubo de dinheiro”, informou o delegado Sérgio Máximo, embora populares tenham afirmado que viram os assaltantes saírem carregando cinco malotes.

Na fuga, a primeira tentativa do bando foi sair pela Rodovia PA-150 no sentido de Marabá. “A estrada estava bloqueada por uma viatura de nossa guarnição”, explicou o major Fábio Rayol, comandante da 18ª CIPM. O bando optou pela estrada vicinal da Moran Madeira, que dá acesso aos municípios de Goianésia do Pará e Breu Branco. Logo na entrada da estrada, os reféns foram liberados com a viatura da PRE e também uma caminhonete S-10. Na manhã de hoje o terceiro carro foi encontrado na região do Açaizal, incendiado.

Até o fechamento desta matéria o reforço policial dá continuidade às buscas, que tem apoio de um helicóptero da PM.

Moradores arriscaram as próprias vidas na tentativa de registrar fotos e filmar a ação da quadrilha. Durante a fuga, mais de cem motociclistas perseguiram os veículos da quadrilha. E tão logo saiu do banco, a agência foi invadida por dezenas de populares.

Marabá

Amedrontados com assaltos, comerciantes pedem ajuda da PM em Marabá

Empresários da Av. Nagib Mutran, principal via do comércio da Cidade Nova, já não conseguem trabalhar nem dormir sossegados, temendo assaltos e arrombamentos

Apavorados desde o momento em que abrem seus estabelecimentos até a hora em que fecham. Assim tem sido a rotina dos comerciantes da Avenida Nagib Mutran, principal via de negócios do Bairro Cidade Nova. Essa preocupação, porém, não cessa quando eles voltam para casa, pois ainda há o perigo de ter o desprazer de, ao chegar no dia seguinte, encontrar a loja arrombada e dela levadas mercadorias. Diante do temor crescente e do aumento do volume de queixas, o Sindicato Patronal do Comércio Varejista de Marabá (Sindicom) promoveu reunião na noite de ontem (14) para debater o assunto e encontrar soluções.

Participaram do encontro cerca de 20 comerciantes da Nagib Mutran, representando os demais empresários; o subcomandante do 4º BPM (4º Batalhão de Polícia Militar), major Hélio Ernani Oeiras Formigosa; o recém-chegado comandante de área do Núcleo Cidade Nova, capitão Harley Alves da Costa; o presidente do Sindicom, Félix Gonçalves de Miranda; o vice-presidente Raimundo Alves da Costa Neto; e os  diretores Francisco Arnilson de Assis e Maria do Livramento Sá de Almeida, a Lia da Liberdade.

Félix Miranda, Raimundo Neto e Francisco Arnilson abriram o encontro, cada um falando objetivamente dos motivos e, por fim, franqueando a palavra para a pequena plateia que ocupou uma das salas do Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial). Os relatos impressionam pela ousadia como os bandidos agem. O primeiro comerciante a falar, do ramo de confecções, lembrou que o empresário hoje recolhe uma carga muito pesada de impostos e que gostaria de ver o retorno, sobretudo em segurança pública. Ele contou que seu comércio já foi alvo de dois assaltos e informou que, em cada ataque desses as perdas são altas, variam de R$ 20 mil a R$ 30 mil. O empresário alertou ainda para o fato de que muitos, por não conseguirem suportar financeiramente os danos causados pelos assaltos, podem vir a cerrar as portas e acabar gerando desemprego. Ou seja, no rastro do problema da segurança vem também o problema social.

Uma empresária contou que está perdendo vendas no horário do almoço, período em que a rua fica com pouco movimento e, temendo ser vítima de assalto, ela fecha a porta de vidro e teme atender quem chega ali, a não ser que o cliente já seja conhecido. Outra contou que, em apenas uma noite, perdeu para arrombadores as economias que havia conseguido amealhar em 25 anos de trabalho, como funcionária de uma rede de lojas de departamentos, das quais havia investido cada centavo em uma loja.

Houve ainda relatos de outros arrombamentos; de marginais ameaçando comerciantes de arrombar suas lojas na madrugada e concretizando mesmo a ameaça; de furtos em dias de grande movimentação, como no último fim de semana, quando aconteceu o Liquida Geral; e de assaltos – vários – à luz do dia.

Após ouvir atentamente os comerciantes, o major Oeiras disse que, com a incorporação recente de 133 policiais no 4º Batalhão e com a chegada do capitão Haley, iria ajustar, a partir de hoje, a
situação da segurança no Cidade Nova, especialmente na área comercial, com policiamento a pé, e a presença de uma viatura, que já faz rondas no local 24 horas.

“Agora é uma questão de ajuste, acabamos de tomar conhecimento das demandas dos comerciantes, vamos poder ajustar esse policiamento para dar uma qualidade melhor na segurança aqui da Cidade Nova”, disse ele, anunciando a entrega, em breve, de 41 motos para o batalhão local, várias das quais serão empregadas no policiamento ostensivo daquele núcleo. “Essa reunião foi muito importante porque promoveu a união entre a PM e a comunidade do comércio e, com certeza absoluta, vamos ter um resultado mais positivo”, avaliou Oeiras.

Já o capitão Harley afirmou que com todo o apoio logístico garantido pelo 4º BPM, iria, a partir de hoje, começar seu trabalho implantando uma rede de segurança, usando os grupos de WhatsApp, para que o comerciante possa interagir diretamente como a PM no dia a dia, informando sobre pessoas e movimentações suspeitas, além de outras providências. “Creio que os índices da criminalidade vão diminuir”, disse ele.

Marabá vai ganhar mais um Batalhão da Polícia Militar 

O major Oeiras anunciou ainda que, considerando o grande crescimento da cidade, em breve haverá a instalação de mais um batalhão em Marabá, o 34º BPM, que vai garantir o policiamento ostensivo na parte de Marabá após a ponte do Rio Itacaiúnas, na Região do Rio Preto, na Região do Sororó e em Itupiranga, São Geraldo do Araguaia e Piçarra.

Segundo ele, só falta a assinatura do governador Simão Jatene para que ocorra a instalação. Lia da Liberdade lembrou que essa era uma reivindicação bem antiga da população do outro lado do Itacaiúnas e também falou das conquistas e avanços no setor da segurança, quando o Cisju (Conselho Interativo de Segurança e Justiça) funcionava em sua plenitude, afirmando que aquele era o caminho, a interação entre a população e os órgãos de segurança, para que a tranquilidade volte reinar no Cidade Nova.

Nova reunião deve ocorrer em breve, esta também com a presença de representantes da Polícia Civil, Ministério Público Estadual, Secretaria Municipal de Segurança Institucional e Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

Por Eleutério Gomes – Correspondente em Marabá