Denúncia sobre concurso público de Jacundá no Ministério Público

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Um documento de seis páginas e endereçado ao Ministério Público Estadual em Jacundá expressa, logo no início, que “por motivo de segurança e no intuito de preservar a estrutura física e mental dos candidatos envolvidos na denúncia que segue, gostaríamos que a mesma seguisse em segredo de justiça”; isso não aconteceu. Por algum motivo, o material vazou e caiu nas redes sociais. Nele, inúmeras denúncias contra o concurso público de Jacundá aplicado no ano passado para o provimento de vagas na administração pública municipal. A Reportagem não citará nomes dos denunciados em decorrência de o Ministério Público ainda estar analisando o documento.

A reaplicação das provas do concurso público da Prefeitura de Jacundá aconteceu no dia 29 de setembro do ano passado. Antes, o mesmo ocorreu em 2016. E diante de dezenas de irregularidades apontadas pelos candidatos, a empresa Inaz do Pará aceitou o cancelamento referendado pela Prefeitura de Jacundá, contratante do certame.

A nova denúncia traz nomes de servidores e até de ex-servidores da Prefeitura, e aponta também o nome de um vereador da cidade; acusa ainda um ex-presidente de licitação à época. “Quatro concorrentes ligados ao ex-presidente da Comissão de Licitação, e inclusive o próprio ex-presidente foram aprovados, conforme é possível conferir no site da empresa que realizou o concurso”. O documento denuncia quatro familiares do ex-presidente da comissão passaram no certame.

Riquezas de detalhes fornecidas no documento dão uma noção da gravidade das supostas irregularidades encontradas na aplicação do concurso: “não podemos deixar de citar aqui também os nomes das pessoas que todos nós concurseiros sabíamos que seriam cartas marcadas para o cargo de Agente de Trânsito. Inclusive, foram feitos vários posts nas redes sociais com as iniciais dos possíveis fraudadores, com a divulgação do resultado parcial e final divulgado pela empresa Inaz do Pará, só veio confirmar a veracidade das suspeitas que nós já tínhamos. Todos os nomes abaixo são citados, em outra suspeita de fraude, durante a primeira aplicação da prova escrita no ano de 2016, onde a empresa Inaz do Pará divulgou uma lista em que nenhum dos concorrentes aparece como classificado e logo em seguida a empresa exclui a mesma, e divulga outra lista onde os mesmos aparecem como aprovados”.

Ao final do documento, “requerem-se ao Ministério Público que sejam tomadas as providências cabíveis, abrindo-se investigação minuciosa, quebra do sigilo telefônico dos envolvidos afim que sejam tomadas todas as medidas para a elucidação desta grave denúncia que, se continuar impune, vem a prejudicar a ordem da justiça e violar o direito de milhares de pessoas que se sentem lesadas neste momento”.

E finaliza com os seguintes anexos:

  1. Assinaturas dos candidatos colaboradores da denúncia;
  2. Lista parcial de agente de trânsito, 2016;
  3. Lista final de agente de trânsito ,2016;
  4. Lista final de agente de trânsito, 2017;
  5. Gabarito agente de trânsito 2016;
  6. Gabarito agente de trânsito, 2017;
  7. Publicação do Facebook, 2017;
  8. Gabarito, nível fundamental completo, 2016;
  9. Resultado final para agente de trânsito, 2017.
Publicidade
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir