Cofres de Marabá abarrotam com royalty recorde dos afetados

Município, que é cortado verticalmente pela Estrada de Ferro Carajás, receberá nas próximas horas R$ 2,338 milhões como compensação pelo uso de seu território para transporte do ferro.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Além dos R$ 6,968 milhões que caíram na conta da Prefeitura de Marabá na última segunda (13) a título de cota-parte da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem) pela produção mensal sobretudo de cobre, a administração de Tião Miranda vai faturar nas próximas horas mais R$ 2,338 milhões, também em Cfem, por ser diretamente impactado pela atividade mineral que acontece nas redondezas, mas que afeta o município. As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu.

Essa é a maior fatia mensal (sem acúmulo) de royalties para Marabá por ser diretamente atingido pela atividade mineral em Parauapebas, de onde parte a Estrada de Ferro Carajás (EFC) que corta verticalmente Marabá carregando o minério de ferro produzido nas serras norte, sul e leste de Carajás. Ele é o município que mais recebe compensação no Pará pelos impactos das grandes minas.

Depois de Marabá, Bom Jesus do Tocantins é o grande reduto da Cfem na categoria dos afetados pela indústria mineral: a prefeitura local vai receber este mês R$ 881,1 mil. Em seguida vêm os governos de Almeirim (R$ 389,1 mil), Água Azul do Norte (R$ 149,3 mil), Barcarena (R$ 138,1 mil) e Ourilândia do Norte (R$ 103,7 mil).

Ao todo, 22 prefeituras paraenses vão partilhar R$ 4,237 milhões em royalties, muito mais que os cerca de R$ 3,5 milhões repartidos no mês passado. Em junho, Marabá recebeu R$ 1,782 milhão pelo impacto da atividade mineradora e Bom Jesus do Tocantins, cerca de R$ 694 mil. Essa variação de um mês para outro se dá pelo nível de produção nos municípios titulares de projetos extratores.

Confira quanto as prefeituras paraenses vão receber logo mais em Cfem por ser diretamente impactado pela atividade mineradora:

  • Marabá: R$ 2.337.786,00
  • Bom Jesus do Tocantins: R$ 881.121,76
  • Almeirim: R$ 389.094,49
  • Água Azul do Norte: R$ 149.336,77
  • Barcarena: R$ 138.100,60
  • Ourilândia do Norte: R$ 103.706,04
  • Cumaru do Norte: R$ 82.957,31
  • Tomé-Açu: R$ 34.709,44
  • Parauapebas: R$ 32.997,83
  • Acará: R$ 20.670,66
  • Ipixuna do Pará: R$ 19.533,22
  • Moju: R$ 16.599,38
  • Eldorado do Carajás: R$ 15.152,01
  • Abaetetuba: R$ 10.746,80
  • São Félix do Xingu: R$ 2.228,08
  • Santana do Araguaia: R$ 1.134,97
  • Palestina do Pará: R$ 390,78
  • Oeiras do Pará: R$ 303,17
  • Aveiro: R$ 118,25
  • São Geraldo do Araguaia: R$ 52,84
  • Itaituba: R$ 19,51
  • Santa Luzia do Pará: R$ 12,16
Publicidade