Câmara de Jacundá aumenta em 100% pagamento de diárias

Promotoria de Justiça abre inquérito civil e dá prazo de dez dias para chefe do Legislativo acatar recomendações do MPPA
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Do ano de 2017 até o dia 6 deste mês, a Câmara Municipal de Jacundá pagou indevidamente aos 13 vereadores da Casa o valor de R$ 121,5 mil em diárias, pagamento feito inclusive durante o recesso parlamentar. O pagamento despertou atenção da Promotoria de Justiça de Jacundá, que instaurou inquérito civil para investigar o caso.

No dia 15 deste mês, o promotor Sávio Ramon Batista da Silva enviou recomendação ao presidente da Câmara, Clayton Guimarães (PR), orientando-o a tomar as medidas cabíveis para evitar que as irregularidades continuem sendo praticadas. São 12 recomendações, como a de exigir dos vereadores que apresentem documentos comprobatórios da realização das viagens e sua finalidade.

Sávio Ramon deu prazo de dez dias – portanto até o dia 25 deste mês – para que o chefe do Legislativo envie resposta à promotoria sobre o acatamento das recomendações, que, se descumpridas, irão impor ao Ministério Público a adoção de medidas cíveis e criminais por improbidade administrativa, considerando se tratar de enriquecimento ilícito auferir qualquer tipo de vantagem patrimonial indevida em razão do cargo, mandato, função e emprego.

Na investigação, a Promotoria de Justiça de Jacundá constatou que o pagamento de diárias serviu para aumento da remuneração indireta dos vereadores e que houve elevação nos gastos sem qualquer justificativa. Em 2017, os vereadores embolsaram R$ 15,5 mil; no ano seguinte, R$ 34,3 mil; e neste ano, até 6 de maio, a farra com diárias foi de R$ 67,6 mil. “Ou seja, um aumento superior a 100%, para um período que não chega a cinco meses”, confere Sávio Ramon, na recomendação.

Como exemplo da falta de critérios para concessão de diárias, o promotor cita a Resolução 13/2009 da Câmara, que concede diária para a capital, Belém, em valor superior a de outros municípios, sem regulamentar o pagamento das verbas indenizatórias e sem previsão legal, além de, a princípio, não apresentar interesse público.

Diante disso, umas das recomendações é que a Câmara exija dos vereadores que apresentem documentos comprobatórios das viagens realizadas, e em caso de não comprovação, será descontado o valor da folha de pagamento do mês seguinte. O valor da diária será estabelecido com base em critérios objetivos de custo médio da hospedagem e alimentação nas localidades de destino dos servidores e vereadores, entre outras medidas impostas na recomendação.

O Ministério Público também recomenda que os pagamentos de diárias e reembolsos com despesas de viagens sejam publicados no Portal da Transparência da Câmara de Jacundá até o dia 5º dia do mês subsequente, bem como os valores totais gastos no mês, com diárias, passagens rodoviárias ou aéreas, adiantamentos ou reembolsos de viagens.

Publicidade

Relacionados