Bolsonaro publica ‘bota-fora’ de aeroportos de Belém, Marabá e Parauapebas

Até a Transamazônica entrou na mira da desestatização do governo federal. Trecho que vai do entroncamento da Cuiabá-Santarém à Miritituba será passado para frente, avisa Decreto 10.635.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um decreto publicado ontem (23) no Diário Oficial da União (DOU) pelo presidente Jair Bolsonaro e por seu ministro da Economia, Paulo Guedes, tem efeitos para mudar as regras da infraestrutura aeroportuária no Pará (veja mais detalhes do decreto aqui ). No documento, o chefe do Executivo federal qualifica empreendimentos rodoviários, portuários e aeroportuários para o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e inclui empreendimentos públicos federais dos setores portuário e aeroportuário no Programa Nacional de Desestatização (PND).

Na mira — e prontos para passar para iniciativa privada — estão os aeroportos paraenses Val-de-Cans (Belém), Maestro Wilson Fonseca (Santarém), João Correa da Rocha (Marabá), Carajás (Parauapebas) e Altamira (em Altamira), que cumprem funções regionais, além de terminais de outros estados, totalizando 24. O Ministério da Infraestrutura fará a modelagem do programa, enquanto a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ficará responsável pelos procedimento relativos à desestatização.

“Dependendo de decisão futura baseada nos referidos estudos, as concessões poderão ser feitas separadamente ou em blocos”, informou, em nota, a Secretaria-Geral da Presidência da República, segundo a qual as medidas visam à “ampliação e modernização da infraestrutura mediante parcerias com a iniciativa privada”, de forma a dar maior competitividade ao país.

E tem mais: o decreto qualifica trechos de BRs e inclui no Programa Nacional de Desestatização a BR-230 (Transamazônica) no Pará, no trecho entre o entroncamento da BR-163 (Cuiabá-Santarém) e o início da travessia do Rio Tapajós, no distrito de Miritituba, no município de Itaituba. Neste caso, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) ficará responsável por promover e acompanhar os procedimentos licitatórios dos processos de desestatização.

No setor portuário, o terminal VDC10A, no Porto de Vila do Conde, município de Barcarena, é um dos empreendimentos qualificados no âmbito do PPI. Ele é, hoje, um dos portos mais importantes do país, por conta da movimentação agromineral.