Alepa encerra votação de empréstimo de R$ 616,1 milhões

Marcados por muita discussão até semana passada, projetos do governo do Estado foram aprovados hoje à unanimidade de votos e em clima de absoluta tranquilidade juntamente com título de “Cidadão do Pará” a Sérgio Moro.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Ao contrário da semana passada, quando os projetos da pauta deixaram até de ser votados devido ao sucessivo uso da tribuna para discussões, a tranquilidade dominou os trabalhos dos deputados nesta terça-feira (17). Tanto que antes das 11h30 a sessão foi encerrada com dez matérias aprovadas em todos os turnos, ficando pendente apenas uma emenda constitucional sobre serviços públicos, que retornou à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para ajustes na redação final, conforme proposto pelo deputado Raimundo Santos (Patri).

Com a pauta vencida, o governador Helder Barbalho somente precisa sancionar agora os projetos para obtenção de empréstimos junto ao Banco do Brasil e à Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 616,1 milhões, dos quais R$ 537,6 milhões serão para execução e/ou conclusão de obras nas áreas de saúde, desenvolvimento e mobilidade urbana, infraestrutura e turismo e R$ R$ 78,5 milhões, para investimentos estruturantes no setor de saneamento básico em Belém.

Também foi aprovada a suplementação de R$ 10 milhões para a publicidade do governo do Estado. A matéria que retornou à CCJ, do Executivo, foi a emenda constitucional que permite ao governador do Estado e aos prefeitos tão somente autorizar, sem processo licitatório, a contratação de serviços públicos e de transporte no Pará. Como houve emenda parlamentar, o projeto terá a redação final ajustada.

Calmaria

De tão tranquila a sessão, nem mesmo a concessão do título honorífico de “Cidadão do Pará” ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, provocou a bancada de oposição, que na votação em primeiro turno da matéria desferiu duras críticas ao ex-juiz da Lava Jato, principalmente a líder do PSol, Marinor Brito.

Somente após a votação do projeto que o deputado Carlos Bordalo (PT), rapidamente, manifestou posição contrária enquanto o deputado Gustavo Sefer (PSD) se manifestou favoravelmente. A aprovação da redação final da matéria arrancou aplausos do deputado Caveira (PP), autor da proposição.

Apesar de o painel registrar a presença de 31 deputados, a maioria não acompanhou a votação por estar em reuniões do lado de fora do plenário. “O quorum existe no painel”, alegou o deputado Miro Sanova (PDT), que presidia a sessão, ao ser alertado pelo deputado Fábio Figueiras (PSB) sobre a baixa presença de parlamentares em plenário.

Mas aí veio a votação do projeto de decreto legislativo – que exige votação nominal e secreta -, que aprovou a indicação de Glória Caputo como superintendente da Fundação Carlos Gomes. “Convido os senhores deputados e senhoras deputadas para virem ao plenário exercerem o seu direito ao voto”, insistiu Sanova por mais de dez minutos até o projeto ser aprovado à unanimidade por 26 votos favoráveis.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Publicidade