Governo garante instalação de projeto pioneiro na verticalização de minério de ferro em Marabá

Laboratório de desenvolvimento e processamento de biomassa vai permitir a produção de 500 mil toneladas de ferro gusa, com baixa emissão de carbono
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

A instalação de um projeto pioneiro de mineração, com baixa emissão de carbono, na cidade de Marabá, no sudeste do Estado, foi o tema da reunião de diretores da empresa Leaf Iron com o governador do Pará, Helder Barbalho, nesta terça-feira (26), no Palácio de Governo, em Belém.

O projeto, chamado de Tecnored, contempla a implementação de um laboratório de desenvolvimento e processamento de biomassa, no distrito industrial de Marabá, que vai permitir a produção de  500 mil toneladas de ferro gusa, com baixa emissão de carbono. A ideia começou a ser estruturada ainda em 1987 e, com a tecnologia de verticalização da produção mineral já consolidada, pode resultar na primeira planta comercial a ser construída no Pará.

Também participaram do encontro o titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Iran Lima; o secretário adjunto de Gestão de Recursos Hídricos e Clima, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Raul Protázio Romão; e o presidente do Sindicato das Indústrias Minerais do Estado do Pará (Simineral), José Fernando Gomes Júnior.

“Esse projeto é pioneiro no mundo. Depois que validar essa tecnologia, vamos mudar a forma de fazer aço no Brasil. Hoje, a gente fecha com chave de ouro a parceria com o governo do Estado para colocar esse projeto em pé. Vamos começar por Marabá e depois por onde tiver demanda”, anuncia Hermes Ferreira Filho, diretor de Tecnologia da Leaf Iron e diretor de projetos do Tecnored.

De acordo com Iran Lima, o projeto contempla a produção mineral aliada à preocupação com o meio ambiente.

“A baixa emissão de carbono é algo procurado não somente para a Amazônia, mas para o mundo. Essa iniciativa traz a possibilidade do estado do Pará entrar no mercado vendendo ferro gusa produzido com baixa emissão de carbono, trazendo um ganho muito grande no valor agregado, como também gerando emprego e renda para a região” – Iran Lima, titular da Sedeme.

A construção da planta está prevista para começar em maio 2020 e entrará em operação em abril de 2022. De acordo com Iran Lima, essa primeira instalação abre possibilidades para o surgimento de outras plantas no estado, pois o Pará é o maior produtor de minério de ferro do Brasil, com áreas suficientes também para fazer a geração de biomassa e, assim, diminuir a emissão de carbono na atmosfera. Além da verticalização do minério de ferro, o projeto também prevê a produção de ração animal e outros produtos gerado a partir do empreendimento, beneficiando também o agronegócio do Estado.

Fonte: Agência Pará

Publicidade