Vale recebe licença para expansão de Estrada de Ferro Carajás

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A autorização permite o início das obras para aumentar a capacidade da Estrada de Ferro Carajás para 230 milhões de toneladas métricas por ano

Agência Vale

 ITV recruta pesquisadores especializados em mineração, ferrovia e até sociologia, entre outros

Estrada de Ferro Carajás: a licença abre espaço para obras que totalizam 786 Km de extensão com conclusão prevista para 2017 e incluem a duplicação de 559,7 Km de ferrovia

A Vale obteve licença de instalação (LI) pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para a expansão da Estrada de Ferro Carajás (EFC).

De acordo com comunicado da mineradora, a licença foi concedida junto com a Autorização para Supressão de Vegetação (ASV), o que permite o início das obras que visam aumentar a capacidade da EFC para 230 milhões de toneladas métricas por ano (Mtpa).

A estrada de ferro liga as operações de mineração da Vale no Pará ao terminal marítimo de Ponta da Madeira no Maranhão.

“A concessão da LI é um marco relevante no processo de execução do projeto S11D, que envolve investimento total de US$ 19,5 bilhões, sendo US$ 8,1 bilhões na mina de minério de ferro e planta de processamento em três módulos, e US$ 11,4 bilhões na ampliação da infraestrutura de logística, ferrovia e terminal marítimo”, diz a empresa, em nota. O projeto S11D também é conhecido como Serra Sul.

A Vale informa ainda que a licença abre espaço para obras que totalizam 786 quilômetros de extensão com conclusão prevista para 2017 e incluem a duplicação de 559,7 quilômetros de ferrovia.

“O início do ramp up da produção de minério de ferro está previsto para o segundo semestre de 2016 e a operação à plena capacidade para o final de 2017. A capacidade adicional de 90 Mtpa deverá ter custo operacional – mina, planta, ferrovia e porto – extremamente baixo e criará oportunidades para expansões futuras brownfield com custos de investimento também muito baixos”, explica a Vale, no comunicado.

Publicidade