Tucuruí vai renovar mobiliário da rede municipal de ensino

Aquisição, via registro de preços, tem custo estimado em R$ 3 milhões. Recurso foi garantido pela prefeitura junto ao FNDE, braço financeiro do MEC, e só pode ser usado para o mobiliário.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Quando as aulas na rede pública municipal de Tucuruí recomeçarem, os cerca de 32 mil estudantes devem ter uma surpresa. É que a administração de Artur Brito está programando a aquisição de 11.902 móveis, entre conjuntos de carteiras e mesas, para atender a educação local. As propostas comerciais para registrar preços da mobília estão previstas para conferência nesta terça-feira (16) e a Prefeitura de Tucuruí estima gastar até R$ 3.029.184,60 com a compra. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas aqui.

A iniciativa é nobre, e o governo municipal, por meio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semed), diz estar realizando uma série de ações para garantir espaços educativos que unam aspectos de segurança e salubridade com comodidade e ambientes lúdicos, além de disponibilizar equipamentos e mobiliário em quantidade e qualidade adequadas.

Um dos objetivos da compra milionária é a padronização do mobiliário escolar do município, conforme orientação do Ministério da Educação (MEC). O mobiliário a ser adquirido, aliás, é composto pelo conjunto do aluno (carteira e cadeira) e por mesa acessível para estudantes cadeirantes. “A carteira e a cadeira do aluno têm três tamanhos, conforme o nível de ensino, cobrindo toda a educação básica, e todo o mobiliário é adaptado ergonomicamente de acordo com idade e série do aluno e ao seu uso por cadeirantes”, explica a Semec.

Ainda segundo a prefeitura, os móveis também foram projetados para ter mais durabilidade que o mobiliário escolar atualmente utilizado pela rede municipal. Há anos, revela a administração, as escolas municipais não recebem mobiliário novo e as mesas e carteiras atuais encontram-se danificadas, desgastadas e até inutilizadas pela ação do tempo. A recuperação, em grande parte desses móveis, é impraticável do ponto de vista de custos e durabilidade.

Com a possibilidade de obter recursos para a compra por meio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) do MEC, a prefeitura não quer perder a oportunidade e argumenta que, mesmo a licitação não fazendo parte do pacote de serviços essenciais para enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, a verba específica do FNDE vinculada ao tesouro de Tucuruí somente pode ser utilizada com a finalidade de comprar a mobília, haja vista existir também convênio já assinado para a finalidade.

A empresa que ganhar o processo terá 20 dias para começar a entregar o mobiliário após a ordem de compra e deve garantir a qualidade de cada móvel por pelo menos um ano.

Publicidade