Secretário de saúde comenta a falta de cirurgiões no HMP

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Secretário de Saúde, Evaldo Benevides Alves (foto), contesta as  denúncias de que o Hospital Municipal de Parauapebas não teria cirurgião durante a noite. Desde já agradeço ao Secretário a atenção dispensada ao blog e aos leitores. Confira o que disse Evaldo:

evaldo

A comunicação é muito importante e por isso me coloco a disposição para prestar os esclarecimentos que compete á minha pessoa. Agradeço a você  ZEDUDU por ceder esse espaço que serve para o debate saudável e também para desmascarar pessoas de má fé.

Em virtude do orçamento apertado esse ano, Eu e meus Diretores tivemos que trabalhar dobrado para garantir o atendimento da população. No que toca ao quadro de cirurgiões do Hospital. Municipal (SESP), estávamos pagando para o cirurgião de plantão ficar a noite inteira no conforto médico aguardando para ser acionado quando desse entrada alguém que precise de intervenção cirúrgica de emergência (Uma média de 12 casos por mês).

Fizemos uma reunião e solicitamos que eles ajudassem, até meia noite, no pronto socorro fazendo as suturas, assim nós poderíamos diminuir um clínico na escala das 19:00 às 24:00hs, gerando uma economia considerável na folha de pagamento.

Como não aceitaram continuou como era antes, o cirurgião de plantão no conforto médico esperando para atuar caso necessário naquela noite e ganhando igual ao que estava lá na ponta atendendo o povo. Mês passado Eu e Dra. Ana Paula (Diretora do HMP) fizemos outra reunião após perceber que os cirurgiões já não ficavam mais no hospital, mas sim em casa, ou seja, não estavam de plantão e sim de sobreaviso. Fechamos um acordo com eles baseado em resolução do CFM (Conselho Federal de Medicina) que diz que o médico de sobreaviso, tem até 40 minutos para comparecer quando acionado e combinamos em 20min a tolerância do nosso sobreaviso, o que não põe em risco a vida do paciente, pois ao dar entrada no hospital ele(a) é examinado pelo clinico, que vendo a necessidade de intervenção cirúrgica, já leva para o centro cirúrgico e enquanto a equipe prepara o paciente é o tempo que chega o cirurgião.

Essa prática é aprovada pelo CFM e teve o apoio dos presentes. Portanto, a população pode ficar tranquila, o atendimento cirúrgico continua garantido. Quanto ao pedido de desligamento do Dr. Rômulo coincidiu com o pedido de vaga de outro cirurgião que quer trabalhar para o município, logo voltaremos a ter (04) quatro cirurgiões. Ao todo são 62 profissionais médicos, entre clínicos e especialistas.

Obrigado pela atenção.

EVALDO BENEVIDES – Secretário Municipal de Saúde.

Nota do Blogger: Faltou o Secretário explicar as denúncias de falta de remédios básicos nas farmácias e ambulatórios, a constante quebra de aparelhos essenciais como o raio x, entre outros e o corte nas horas extras dos funcionários da saúde.

Publicidade