Secretaria de Saúde de Jacundá desmente boato sobre caso de Coronavírus

Em Nota Oficial, o órgão afirma ainda que, desde janeiro deste ano, o município, em parceria com a Secretaria de Saúde do Estado, vem criando estratégias de enfrentamento da doença
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

“Não há caso confirmado ou caso suspeito para Coronavírus no município de Jacundá”. A afirmação, em Nota Oficial emitida pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e divulgada na tarde de segunda-feira (16), tem o objetivo de tranquilizar a população e desmentir notícias falsas sobre o surgimento do vírus na cidade.

A notícia sobre um paciente com sintomas do vírus circulou em alguns setores da sociedade de Jacundá durante o domingo (15) e na segunda-feira (16). De acordo com a SMS, todas as providências para checar a informação e a fonte foram adotadas e o caso foi descartado. “As autoridades sanitárias deste município, juntamente com a Secretaria de Estado da Saúde do Pará (SESPA), desde Janeiro/2020, vêm criando estratégias no enfrentamento do novo Coronavírus (2019-nCoV)”, explica a secretária Lícia Souza.

A secretária de Saúde de Jacundá detalhou as principais ações já adotadas para combater o vírus. A primeira medida foi a “criação do Plano de Contingência Municipal visando orientar as equipes de saúde da rede municipal quanto à classificação de risco, fluxo de atendimento e encaminhamento às unidades de referência secundária e terciária, bem como prevenção e o manejo e dos casos suspeitos de Covid-19”.

Outra ação consiste no treinamento das equipes de saúde, que inclui enfermeiros, médicos, técnicos de enfermagem, vigilantes em saúde, técnicos em laboratório, dentre outros. E também a aquisição de insumos e equipamentos de suporte básico.

Foi conveniado um hospital particular do município para oferecer leito de isolamento em caso de paciente com indicação de internação. “Ressaltamos que, qualquer caso suspeito, será devidamente analisado e monitorado pela equipe de vigilância em saúde, assim como por médicos e enfermeiros”, esclareceu Lícia.

(Antonio Barroso)

Publicidade