Remo 0 x 1 Paysandu – Papão quebra jejum e entra no G4 da Série C

O clássico Re-Pa é o de maior número de confrontos no Brasil. Os rivais já se enfrentaram 747 vezes, com 261 vitórias do Remo e 234 do Paysandu, além de 253 empates.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Tem coisas inexplicáveis no futebol. O Paysandu não vencia há oito rodadas, estava ameaçado pelo rebaixamento, mas levou a melhor sobre o líder Remo. No RePa de número 747 da história, o Papão levou a melhor e venceu por 1 a 0, no Mangueirão, em Belém, em jogo válido pela nona rodada da Série C do Campeonato Brasileiro.

Com o final do jejum, o Paysandu saiu da parte baixa do Grupo B e saltou para o quarto lugar, entrando no G4, com 13 pontos, deixando para trás o Ypiranga-RS. O Remo, por outro lado, perdeu pela segunda vez seguida e saiu da liderança da chave com a 15 pontos. O Juventude acabou ficando com a liderança por ter um ataque mais positivo (10 a 9).

Mais disputado

O clássico Re-Pa é o de maior número de confrontos no Brasil e, segundo alguns estatísticos, do mundo. Os rivais já se enfrentaram 747 vezes, com 261 vitórias do Remo e 234 do Paysandu, além de 253 empates. A briga por gols marcados está bastante equilibrada: o Remo fez 946 contra 948 do Paysandu.

O jogo


Como não poderia deixar de ser, o clássico Re-Pa começou quente, com faltas duras e três cartões amarelos em menos de 20 minutos. Com a bola rolando, o Paysandu foi quem tomou a iniciativa, com mais posse de bola e marcação alta. Apesar da iniciativa, os dois rivais tiveram o mesmo problema no campo de ataque: o erro no último passe.

Mesmo com dificuldades para chegar perto da meta, o Paysandu resolveu arriscar de longe. Tiago Luís e Anderson Uchoa tentaram, mas não chegaram a ameaçar Vinícius. Pelo lado do Remo, as jogadas pelo lado do campo não funcionaram e a defesa do Papão acabou levando a melhor nos cruzamentos rasteiros. Desta forma, o empate acabou prevalecendo no intervalo.

Retorno animado

O segundo tempo começou mais animado, com o Remo de volta para o jogo. Logo aos cinco minutos, o Leão perdeu chance clara com Carlos Alberto. Depois de cruzamento da esquerda, a bola acabou sobrando para o atacante. Livre, ele exagerou na força e mandou por cima, longe do gol.

O Paysandu não conseguiu manter a organização tática do primeiro tempo e acabou sofrendo para segurar o rival. Novamente pela esquerda, Carlos Alberto cortou para o meio e finalizou forte. Mota caiu para fazer a defesa. Aos poucos, o Papão se encontrou e tentou buscar espaço no campo de ataque, mas seguiu com dificuldades.

Em lance de bola parada, porém, o Paysandu abriu o placar. Aos 29 minutos, depois de cobrança de escanteio, a bola bateu em Micael e sobrou limpa para Anderson Uchoa dentro da área. O atacante finalizou cruzado e venceu Vinícius para abrir o placar. Logo na sequência, o Remo teve a chance de empatar.

Na ansiedade de salvar a pátria, Marcão Santana e Ramires se atrapalharam no momento da finalização e acabaram facilitando para Mota. A dupla estava livre no segundo pau depois de desvio no meio da área. Depois foi a vez de Vançan aparecer no ataque e exigiu boa intervenção do goleiro do Papão.

Enquanto o Remo pressionava em busca do empate, um dilúvio caiu no Mangueirão para lavar alma do Paysandu e abrir um novo horizonte para a sequência da temporada.

Próximos jogos

O Paysandu volta a campo na sexta-feira para enfrentar Ypiranga, às 20 horas, novamente no Mangueirão, em Belém. No sábado, o Remo visita o Boa Esporte, às 19h15, no Estádio do Melão, em Varginha.

Foto: Jorge Luiz/Paysandu

Publicidade

Relacionados